acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mercado

Governo admite necessidade de reajuste de preço

11/08/2005 | 00h00

Petróleo atingiu a marca de US$ 65 no mercado dos EUA 
 
A secretária de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Maria das Graças Foster, reconheceu ontem que o preço do barril não deverá voltar ao patamar de US$ 40, e que, por isso, um reajuste de preços deverá ser necessário, mas ``no momento certo``. No dia em que o petróleo atingiu novo patamar, atingindo o pico de US$ 65, ela admitiu que as sucessivas altas na cotação da commodity no mercado externo já preocupam o governo, mas ressaltou que a política de preços dos combustíveis é uma atribuição da Petrobras.
- Se o barril não voltar a US$ 40, você tem de projetar a rentabilidade da Petrobras para frente e, no momento certo, para garantir os negócios nos patamares que ela julga adequados, deverá fazer o reajuste. Mas é uma política comercial da empresa - disse.
Os US$ 40 aos quais a secretária se refere correspondem à cotação do petróleo em novembro de 2004, quando a estatal anunciou o último reajuste de preços nos combustíveis.
Para a secretária, as cotações registradas nos últimos 15 dias atingiram números ``pouco imaginados``, mas, segundo ela, pelo nervosismo do mercado ainda não haveria a definição de um novo patamar de preços como base do reajuste. Foster disse que, a Petrobras acompanha diariamente a evolução da cotação e que ``há algum conforto em manter os preços``. A secretária participou ontem de audiência pública na Câmara dos Deputados sobre as conseqüências da crise da Bolívia para os interesses do Brasil na área de petróleo e gás.
Ontem, o petróleo continuou sua trajetória de avanço e atingiu a marca dos US$ 65, com a divulgação da queda no estoque de gasolina nos EUA, aliada aos problemas de produção enfrentados pelas refinarias no país.
No fim do dia, o barril para entrega em setembro fechou o dia, em Nova York, cotado a US$ 64,90, alta de 2,9%.
No horizonte também estão as tensões no Oriente Médio, com o temor de atentados a representações diplomáticas dos EUA em cidades da Arábia Saudita e com a retomada das atividades nucleares no Irã, contrariando a oposição da União Européia. O temor de novos furacões no Golfo do México - que podem interferir na produção das refinarias da região - também vêm preocupando os investidores. No ano passado, o furacão Ivan forçou o fechamento de diversas refinarias e a parada de produção em plataformas, o que fez disparar o preço do petróleo - que, em outubro, chegou a US$ 55,67.



Fonte: Jornal do Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar