acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Combustível

GNV deve chegar este ano ao Distrito Federal

05/03/2007 | 00h00


O Governo do DF estudava a possibilidade de estabelecer uma taxa de 12%, enquanto a CEB Gás e a Gasol, responsáveis pela implantação do GNV no DF, defendiam uma porcentagem de 7%, o que viabilizaria a comercialização por um preço mais acessível, segundo Paulo Gomes, diretor-técnico da CEB Gás.

Gomes afirma que o atual governo deu abertura para novas negociações e passou a aceitar o ICMS de 7%, contudo a alíquota ainda deve ser aprovada pelo Conselho de Política Fazendária (Confaz). A reunião para decidir a questão está marcada para 30 de março. “Como Brasília não possui gasoduto, o combustível terá que ser transportado, não havia como o imposto ser de 12%. Encareceria o produto. Acredito que o Confaz não fará objeção e poderemos ter o GNV dentro do prazo previsto”, explica Gomes.

A expectativa da população é grande. O consultor do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos Autorizados do Distrito Federal (SINCODIV/DF), Rubens Alves dos Anjos, diz que o quadro é otimista.  A Disbrave, única concessionária credenciada pelo Inmetro para instalar os equipamentos que comportam o GNV, converte, em média, seis veículos por mês.  “As vantagens econômicas e ambientais que o gás oferece fazem com que tenhamos uma expectativa bastante positiva”, argumenta.

Inicialmente dois postos comercializarão o gás no DF. Um ficará localizado no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA) e o outro  no Setor de Postos e Motéis, na Candangolândia, com capacidade para armazenar 40 mil metros cúbicos. De início, espera-se atingir 1% da frota de carros do DF, cerca de sete mil veículos.

A Petrobrás, em parceria com a White Martins, investiu 50 milhões de dólares na estrutura, que tornará possível a comercialização do GNV em Brasília. O gás passará por um processo de liqüefação, onde ele será refrigerado a uma temperatura de 160º negativos e armazenado em Paulínea – SP. As carretas sairão do interior paulista e abastecerão os postos do DF, que também terão de investir para poder armazenar o GNV adequadamente.



Fonte: Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar