acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
CTDUT

Futuro certo

16/08/2007 | 00h00
Com o objetivo de registrar o expressivo e rápido crescimento no número de associados e recepcionar os representantes dos novos membros aprovados na assembléia geral de 01 de junho de 2007, o Centro de Tecnologia em Dutos (CTDUT) convidou os membros da Comissão de Transporte Dutoviário do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), Marcelo Rennó e o Marcelino Guedes, para um painel sobre a Expansão da Rede de Dutos no País, seguido de debates sobre o tema. O evento foi realizado nesta quinta-feira (16), no auditório do Centro Tecnológico.

Na ocasião, também foram apresentadas palestras do diretor do Instituto Venturus Centro de Inovação Tecnológica, Antonio Ribeiro Neto e o diretor do Instituto Eldorado de Evolução Tecnológica, Paulo Roberto Santos Ivo, parceiros do CTDUT em uma aliança tecnológica que visa unir competências complementares em pesquisa e desenvolvimento, os quais farão breve apresentação das atividades tecnológicas daquelas instituições.

O Venturus começou a atuar no mercado há 11 anos, com apoio da Ericsson, sob o nome de Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento em Informática e Automação (Informat). Com sede em Campinas (SP), hoje o Venturus desenvolve softwares para os setores de telecomunicação fixa e móvel, tecnologia da informação e automação.

Também paulista, o Instituto Eldorado também nasceu da parceria com a iniciativa privada, nesse caso a Motorola. Fundado em 1997, em Campinas, o Eldorado atuava incubado no parque industrial da Motorola do Brasil, em Jaguariúna, SP. Atualmente, o Instituto oferece a seus clientes serviços de desenvolvimento de software sob encomenda, utilizando processos certificados segundo os padrões internacionais CMMi nível 3 e ISO 9001. Desenvolve, também, soluções com alto conteúdo tecnológico, principalmente para aplicações de sistemas microprocessados com funções dedicadas, tais como produtos de linha branca, dispositivos automotivos, telefones celulares, dentre outros.

“Mais do que apresentar suas próprias soluções tecnológicas, a presença do Venturus e do Eldorado se justifica aqui para demonstrar que é possível o desenvolvimento e o sucesso de um projeto como o nosso. Um projeto que foi concebido para ser pioneiro e que deve continuar assim, pensando grande, sem medos de avançar”, afirmou, durante o evento, o presidente do Conselho Executivo do CTDUT, Raimar van den Bylaardt.

O diretor de Terminais e Oleodutos da Transpetro, Marcelino Guedes, aproveitou a ocasião para ressaltar a importância da comunidade de dutos do Brasil participar de eventos como a Rio Pipeline, que acontece durante os dias 2 a 4 de outubro, no RioCidadeNova Convention Center (RJ), lembrando que, neste ano, o Global Pipeline Award 2007 será realizado durante o evento.

Concedido pelo International Petroleum Technology Institute (IPTI) do American Society of Mechanical Engineers International (ASME), o Global Pipeline Award é considerado o mais importante prêmio do setor dutoviário por reconhecer as inovações e os avanços tecnológicos promovidos pelas empresas.

“No ano passado, durante a International Pipeline Conference & Exposition (IPCE), realizada na cidade de Calgary, no Canadá, fomos a empresa vencedora do Global Pipeline Award 2007. O Brasil também marcou presença na conferência com a apresentação de 31 trabalhos técnicos de universidades. Seria muito interessante ver empresas que atuam com a Petrobras participando Global Pipeline Award 2007. Tudo isso é vitrine para a nossa indústria”, disse.

Dentre os novos associados do CTDUT estão o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO), a Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG), as empresas Gávea Sensors, Unicontrol Automação, Palessa Engenharia de Corrosão e Guterres Projetos, além da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e da Universidade Católica de Petrópolis (UCP).

Com isso, o Centro agora conta com 35 instituições em seu quadro de sócios, distribuídos entre empresas, associações, entidades e universidades.

Projeto pioneiro inaugurado em maio do ano passado, o CTDUT é o primeiro Centro Tecnológico em Dutos compartilhado da América Latina, surgindo da necessidade estratégica de desenvolver tecnologia de ponta na área de dutos.

Localizado em Campos Elíseos, Duque de Caxias (RJ), próximo à Reduc, ao terminal da Transpetro e à Riopol, a idéia é que o CTDUT seja um laboratório de pesquisa em escala real para o desenvolvimento compartilhado de novas tecnologias em dutos, testes de produtos, equipamentos e sistemas de proteção ambiental utilizados na malha dutoviária.

“As parcerias concretizadas através dessas associações são essenciais para auxiliar o Centro na condução de projetos e no alcance de seu principal objetivo: dotar o segmento dutoviário nacional de competitividade internacional”, explica Raimar.

Segundo Raimar, a contrapartida para o associado é bem mais do que o direito preferencial de participação nas atividades e o uso das instalações do CTDUT. “O que buscamos é garantir também, aos membros da comunidade de dutos nacional, a participação direta nas questões decisórias do processo de desenvolvimento tecnológico do setor”, comenta.

Fonte: Da redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar