acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Relatório

Fusões e aquisições movimentam US$ 27 bilhões só com operações de TI no 1º trimestre

08/06/2011 | 14h50
O setor de tecnologia registrou um salto de 124% no volume de fusões e aquisições realizadas no primeiro trimestre de 2011, impulsionado pelas redes sociais, comunicação móvel e segurança da informação. O total negociado alcançou US$ 27 bilhões no período, segundo o relatório trimestral da Ernst & Young Global Technology M&A Update.


“O aumento está ligado à maior presença da tecnologia no dia a dia das pessoas. Essa tendência ajuda a impulsionar cada vez mais empresas a investir em áreas como Web 2.0, redes sociais e soluções de mobilidade”, afirma Ricardo Reis, líder de fusões e aquisições na Ernst & Young Terco.


O relatório aponta ainda que o número de negócios também cresceu 26% na comparação com o mesmo período do ano passado, com 794 fusões ou aquisições. E o movimento deve continuar forte durante 2011.

 
A aquisição por US$ 8 bilhões da Skype pela Microsoft, ocorrida no segundo trimestre, mostra essa tendência de ritmo intenso de transações no setor neste ano, mesmo com os problemas ainda enfrentados pela economia mundial.

 
As companhias têm realizado diversas aquisições de empresas de menor porte com o objetivo de desenvolver negócios com abordagens mais completas e estratégicas. Isso fica evidente principalmente entre empresas de internet, que adquiriram redes sociais com o propósito de expandir-se.

 
É o caso de provedores de tecnologia e também de software como serviço (Software as a Service, Saas, em inglês), que compraram companhias com atuação em mídia sociais para adicionar funções à suas aplicações ou às plataformas de propaganda e marketing.

 
Da mesma forma, o crescimento de empresas de compras coletivas foi resultado de uma série de transações de consolidação entre empresas concorrentes com atuação regional, além da ação de expansão geográfica conduzida por companhias maiores.

 
Setores em crescimento

 
A computação em nuvem (cloud computing, em inglês) foi a força propulsora por trás de dezenas de fusões e aquisições no primeiro trimestre, incluindo as maiores negociações em valores de negócios. Operadoras de telefonia e de TV a cabo também adquiriram companhias de serviços com grandes centros de dados para aumentar a capacidade de fornecimento desse tipo de serviço.

 
A lista das 10 principais fusões e aquisições no setor também inclui três negócios de semicondutores, que uniram fabricantes de chips de comunicação para tecnologias de telefones móveis (chips 3G e 4G/LTE) e de empresas que produzem dispositivos para WiFi, WiMax, Bluetooth, GPS e outras tecnologias de comunicação wireless.

 
O primeiro trimestre de 2011 registrou ainda negócios nos quais fabricantes de dispositivos móveis adquiriram provedores de conteúdo e serviços. Essas transações focaram no conceito de construção de “ecossistemas de informação” para alavancar um único sistema operacional em torno de smartphones, tablets e outros dispositivos móveis de cada empresa.

 
Além das fronteiras

 
A busca por crescimento e ganho de escala ficou evidente, neste período, por conta do nível de negócios transnacionais. Seguindo uma tendência positiva registrada em 2010, o primeiro trimestre deste ano manteve o ritmo: negócios com outros países responderam por 34% de todas as operações de M&A do período, comparado com os mesmos 34% em todo o ano passado e 31% em 2009. As transações além das fronteiras nos três primeiros meses de 2011 – US$ 11 bilhões – responderam por 40% do valor total do período.

 
Tendência para 2011

 
Desde o segundo trimestre de 2009, a análise da Ernst & Young mostra que não há queda sequencial em relação ao número de negócios e o cenário registrado neste ano mostra que a tendência é de forte crescimento para 2011.

 
O setor influencia cada vez mais o desenvolvimento de toda a economia global por meio de novas ondas de inovação na área de mobilidade inteligente, computação em nuvem e redes sociais.


Além disso, companhias de tecnologia têm disponibilidade de recursos para aumentar os gastos com fusões e aquisições. No agregado, o caixa e os investimentos detidos pelas 25 maiores companhias do setor, que alcançaram a marca de US$ 500 bilhões no final de 2010, cresceram para US$ 544 bilhões no final do primeiro trimestre de 2011 – um aumento de 18% na comparação com o mesmo período de 2010.
 

“O setor de tecnologia, em especial, costuma acumular caixa para operações de fusões e aquisições. Isso acontece por conta da própria dinâmica desse mercado, marcado por inovações constantes. Quando essas empresas têm recursos em caixa, forma-se um terreno fértil para aquisições e, assim, há mais chances de o setor continuar crescendo”, conclui Reis.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar