acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Negócios

Fusões e aquisições em petróleo e gás aumentam no 3° trimestre de 2011

11/11/2011 | 14h42
No Brasil, o setor de petróleo e gás realizou 11 fusões e aquisições (F&A) somente no terceiro trimestre deste ano (de julho a setembro). O segmento apresentou uma forte recuperação se compararmos com o mesmo período do ano passado, quando foram feitas apenas cinco. O maior número de transações (quatro), nos três últimos meses de 2011, foi realizado por brasileiras adquirindo, de estrangeiros, empresa estrangeira estabelecida no exterior. Desde 1994, o setor acumula 244 negociações, de acordo com pesquisa da rede global de firmas independentes, a KPMG.

O estudo também mostrou que foram realizadas na área de petróleo e gás três transações domésticas; duas operações de empresa estrangeira adquirindo, de brasileiros, outra brasileira estabelecida no país; e duas de empresa brasileira adquirindo, de estrangeiros, outra empresa de capital estrangeiro também estabelecida no Brasil.

De acordo com Paulo Guillherme Coimbra, sócio da KPMG no Brasil, as negociações de F&A no setor foram uma forma encontrada pelas empresas entrantes no mercado de se manterem firmes neste segmento.

“Elas são consideradas uma parceira estratégica para a consolidação do setor, que está bastante aquecido. O que comprova a euforia dos investidores na área, ainda motivados pela expectativa de crescimento das reservas brasileiras do pré-sal e os investimentos associados à exploração dessas reservas, envolvendo principalmente a cadeia de fornecedores de equipamentos e prestadores de serviços da indústria. A expectativa é de aquecimento e consolidação contínua”, explicou.

Segundo ele, a interpretação é que o principal interesse de aquisições pelas empresas brasileiras e pelas estrangeiras está no mercado local. “Esse movimento tem impulsionado a aquisição das empresas brasileiras por ambos e, de certa forma, desestimulado os estrangeiros a se desfazerem de seus negócios no Brasil”, acrescenta o executivo.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar