acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Negócios

Fundo do Qatar compra 6% da Iberdrola por US$ 2,7 bi

16/03/2011 | 09h46
A Iberdrola vendeu € 2 bilhões (US$ 2,7 bilhões) em novas ações para um fundo soberano do Qatar, numa decisão entendida por analistas como uma manobra defensiva na disputa entre a maior companhia de eletricidade na Espanha e seu maior investidor, a ACS.
 

A Qatar Holding, braço de investimentos diretos da Qatar Investment Authority, responsável pela gestão de US$ 80 bilhões, disse que irá assumir 6,16% na Iberdrola como parte de uma parceria estratégica com o grupo espanhol envolvendo a abertura de um novo escritório regional dos espanhóis no Golfo Pérsico.
 

A compra de ações da Iberdrola por um dos mais novos e mais agressivos fundos soberanos de Estados do Golfo poderá frustrar as ambições da ACS, empresa de construção civil espanhola que está brigando na justiça do seu país para ganhar assentos no conselho de administração da Iberdrola.
 

A ACS, que sinalizou seu interesse em elevar sua participação na Iberdrola de 20,2% para 30%, no ano passado, viu uma proposta para que obtivesse representação no conselho negada em votação dos demais acionistas da companhia, depois que eles consideraram o grupo um concorrente, devido à seus próprios negócios relacionados com o setor energético.
 

A compra pela Qatar Holding representa a segunda vez em menos de três meses que ela assume uma grande participação, com deságio, numa companhia alvo de interesse da ACS. Em dezembro, a Hochtief, maior grupo alemão de construção civil, irritou alguns de seus investidores por vender 9,1% de participação para o Qatar, numa tentativa de defender-se de uma aquisição hostil pela ACS.
 

"O mercado interpretará essa operação como uma defensiva da atual gestão da Iberdrola contra a entrada da ACS," disseram analistas da Mirabaud Securities.
 
 
No entanto, analistas do JP Morgan argumentaram ser mais provável que a venda seja uma iniciativa com o objetivo de assegurar "vigoroso apoio potencial à administração futura", caso um dos bancos de poupança espanhóis com problemas venda suas ações da Iberdrola para levantar capital.
 

A Iberdrola afirmou que o investimento ajudará a montar os € 3 bilhões de que necessita para completar a recompra de sua divisão Iberdrola Renovables e para completar os planos de investimentos no Brasil, onde acertou, em janeiro, a compra da Elektro por € 1,7 bilhão.
 

Na semana passada, a Iberdrola anunciou que fecharia o capital de sua subsidiária no setor de energias renováveis mediante a recompra dos 20% de suas ações negociadas em Madrid - por quase metade do preço a que foram vendidas há pouco mais de três anos.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar