acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Rio Pipeline 2007

Fórum aponta oportunidades na modernização e construção de dutos

04/10/2007 | 00h00
Mais que a construção de novos dutos para transporte de óleo e gás, o Fórum de Oportunidades em Dutos, organizado pela Global Pipeline Monthly e realizado ontem (quarta-feira, 3), durante a Rio Pipeline 2007, apontou a necessidade de manutenção dos 2 milhões de dutos terrestres existentes hoje no mundo. De acordo com relatório da Douglas-Westwood , do Reino Unido, o consumo mundial de gás registrou crescimento de 435% desde 1965. “Mas trata-se de uma infra-estrutura para transporte muito antiga, que não tem como continuar operando por mais 10 anos”, alertou o diretor da consultoria, John Westwood.

Essa é a realidade do Equador, por exemplo, onde não há nenhuma nova construção prevista para o curto prazo, já que o país passa por uma revisão constitucional e tem os investimentos paralisados. “O Equador conta com 3,3 mil quilômetros de dutos, que consomem cerca de US$ 40 milhões em manutenção a cada ano”, afirmou o presidente da Oleoducto de Crudos Persados (OCP), Wong Loon.

O mesmo acontece na Europa, onde a demanda por gás deverá atingir os 652 bilhões de metros cúbicos em 2030. “Temos que investir em modernização, já que a taxa de dutos com mais de 40 anos está aumentando”, disse o conselheiro do Diretório Geral para Energia e Transporte da Comissão Européia, Cristobal Burgos-Alonso. “Além disso, em 2008 a União Européia vai revisar sua política energética, prevendo investimentos adicionais em infra-estrutura, para a construção de dutos para CO2 e biocombustíveis, por exemplo”, acrescentou.

Quando o assunto são novas redes, a ênfase, porém, fica por conta da distância entre as grandes reservas de gás e os principais mercados consumidores. Caso do Brasil, onde a demanda de gás, de 48,2 milhões de metros cúbicos por dia em 2006, passará para 121 milhões de metros cúbicos por dia em 2011, segundo o gerente geral de desenvolvimento de novos negócios da Transpetro, Charles Labrunie.

“Conforme o Plangás, o Plano de Antecipação de Produção de Gás Natural da Petrobras, o Brasil vai aumentar a produção de gás natural de 15 milhões de metros cúbicos este ano para 40 milhões de metros cúbicos em 2011”, assinalou. Além dos projetos aprovados, que somam US$ 6,5 bilhões de investimentos entre 2007 e 2011, a Transpetro planeja construir mais 523 quilômetros de gasoduto entre Urucu e Porto Velho, 88 quilômetros adicionais no Gaspal e 1.190 quilômetros no Gasbol. Em toda a América Latina, as previsões da Douglas-Westwood são de 17 mil novos quilômetros de dutos entre 2008 e 2012.

Já no Canadá, são dois grandes projetos para construção de dutos: o Alasca, que deverá entrar em operação em 2014 e prevê investimento de US$ 20 bilhões para o transporte de 120 a 180 milhões de metros cúbicos por dia, e o Mackenzie, com início das operações previsto para 2012, investimento de US$ 7,5 bilhões e capacidade de 36 mil a 54 mil metros cúbicos por dia. “A alta nos preços do petróleo vêm impulsionando novos investimentos”, constatou Mo Mohitpour, da canadense Enbridge International. “Na América do Norte, a previsão de investimentos em dutos chega aos US$ 155 bilhões nos próximos 20 anos”, concluiu.

Fonte: Da redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar