acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Niterói Fenashore 2007

Feira chega ao fim com expectativa de US$ 1,2 bilhão em investimentos

27/09/2007 | 00h00
Ainda na área de negócios aconteceu o inédito acordo celebrado entre o Estaleiro CBO-Aliança e o Banco do Brasil no valor inicial de R$ 12 milhões, inaugurando participação do banco oficial no financiamento de empreendimentos no setor naval.

Pequenos e médios fornecedores que participaram da Rodada de Negócios também saíram satisfeitos da Niterói Fenashore. O volume de negócios que podem ser fechados a partir das reuniões com grandes compradoras do setor chega a R$ 89,2 milhões nos próximos meses. O resultado é 15% superior ao alcançado na primeira edição da Fenashore, há dois anos, quando a expectativa de negócios gerada foi de R$ 76 milhões.

Organizada pela Onip e o Sebrae/RJ nos dias 25 e 26, a Rodada reuniu 200 pequenas e médias empresas do Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Pernambuco, Bahia, Paraná e Santa Catarina, além da argentina Giron. Foram agendadas 612 reuniões com as 13 empresas-âncora participantes (Petrobras, Techlabor, Mauá-Jurong, Shell, Transpetro, Mac Laren Oil, Acergy, Consórcio PCP Engevix, Nuclep, Maersk, Estaleiro Navship, Estaleiro Aliança e Ultratec). A lista de demandas das âncoras foi de mais de 600 itens.

BNDES deve aportar recursos na indústria naval

O Fundo de Marinha Mercante (FMM) liberou, apenas este ano, mais de R$ 1 bilhão para a indústria naval, quase o dobro do montante destinado para obras navais no ano passado. Os dados foram apresentados no último dia do evento, pelo secretário-executivo do Ministério dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, que participou da palestra “Visão atual e perspectivas do Programa de Modernização e Expansão da Marinha Mercante Brasileira”, na Niterói Fenashore.

“Além dos recursos do FMM, o governo federal trabalha com a perspectiva de que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também vá aportar recursos suplementares, para sustentar o crescimento da construção naval”, disse Passos.

Em 2007, já foram entregues nove embarcações de apoio marítimo, no valor de R$ 425,4 milhões, e contratados 19 petroleiros, totalizando R$ 3,7 bilhões. Estão em análise operações para a construção de mais 14 embarcações de apoio marítimo, que somam R$ 904 milhões, e de seis rebocadores, orçados em R$ 65 milhões.

Passos admitiu que existe a preocupação em relação à possível falta de profissionais treinados (oficiais, tripulantes e técnicos) para atender a demanda crescente. “É um desafio prover essa mão-de-obra. Mas estes são problemas que nos animam. Significam que saímos de uma condição de crescimento vegetativo, e é sempre bom ver o país e a indústria naval crescendo”, afirmou.

Fonte: Da redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar