acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Tecnologia

Faperj investiu R$ 340 milhões em projetos científicos em 2012

24/01/2013 | 12h10
Faperj investiu R$ 340 milhões em projetos científicos em 2012
Robô que limpa dutos, tubulações e tanques Robô que limpa dutos, tubulações e tanques

 

O ano de 2012 foi de superação nos investimentos em ciência, tecnologia e inovação. A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) recebeu R$ 340 milhões do tesouro estadual para aplicar em projetos científicos. Se comparado a 2011, o repasse cresceu R$ 28 milhões. Considerando os recursos obtidos com parceiros, a fundação destinou R$ 376 milhões a pesquisas, superando o recorde do ano anterior, que era de R$ 357 milhões.
"O aumento de recursos possibilitou que pudéssemos exercer mais fortemente a nossa atividade. Apoiamos também a recuperação da infraestrutura necessária para pesquisa nas instituições de ensino, o que é essencial para o estado retomar o lugar que lhe pertence na produção científica nacional", afirmou o presidente da Faperj, Ruy Garcia Marques.
O total de recursos concedidos à instituição obedece à constituição estadual, que determina repasse de 2% da arrecadação tributária líquida. Embora previsto na lei, o índice apenas começoua ser respeitado a partir de 2007.
"A média de recursos concedidos de 2002 a 2006 era de apenas R$ 91 milhões por ano. Desde 2007, nos superamos a cada ano. Isso fez a Faperj resgatar a credibilidade junto à comunidade científica", disse Ruy Garcia.
Entre os projetos apoiados em 2012, o presidente da Faperj destaca a produção de óleo diesel a partir de óleo de cozinha, criação de robôs que limpam tanques e tubulações, investimento em empreendedores individuais e até financiamento a espetáculos teatrais em universidades.
Desde 2007, 150 editais foram lançados. Para este ano, 45 já estão aprovados pelo conselho da fundação. Além de reedições de editais, há propostas inéditas relacionadas a áreas estratégicas para o estado, como biotecnologia, serviços de internet, tecnologias sustentáveis, mídias digitais e estudo de temas relacionados à saúde e cidadania de pessoas idosas.

O ano de 2012 foi de superação nos investimentos em ciência, tecnologia e inovação. A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) recebeu R$ 340 milhões do tesouro estadual para aplicar em projetos científicos. Se comparado a 2011, o repasse cresceu R$ 28 milhões. Considerando os recursos obtidos com parceiros, a fundação destinou R$ 376 milhões a pesquisas, superando o recorde do ano anterior, que era de R$ 357 milhões.


"O aumento de recursos possibilitou que pudéssemos exercer mais fortemente a nossa atividade. Apoiamos também a recuperação da infraestrutura necessária para pesquisa nas instituições de ensino, o que é essencial para o estado retomar o lugar que lhe pertence na produção científica nacional", afirmou o presidente da Faperj, Ruy Garcia Marques.


O total de recursos concedidos à instituição obedece à constituição estadual, que determina repasse de 2% da arrecadação tributária líquida. Embora previsto na lei, o índice apenas começoua ser respeitado a partir de 2007.


"A média de recursos concedidos de 2002 a 2006 era de apenas R$ 91 milhões por ano. Desde 2007, nos superamos a cada ano. Isso fez a Faperj resgatar a credibilidade junto à comunidade científica", disse Ruy Garcia.


Entre os projetos apoiados em 2012, o presidente da Faperj destaca a produção de óleo diesel a partir de óleo de cozinha, criação de robôs que limpam tanques e tubulações, investimento em empreendedores individuais e até financiamento a espetáculos teatrais em universidades.


Desde 2007, 150 editais foram lançados. Para este ano, 45 já estão aprovados pelo conselho da fundação. Além de reedições de editais, há propostas inéditas relacionadas a áreas estratégicas para o estado, como biotecnologia, serviços de internet, tecnologias sustentáveis, mídias digitais e estudo de temas relacionados à saúde e cidadania de pessoas idosas.



Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar