acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Gás

Falta de expansão do Gasbol limitará crescimento do consumo no Sul

24/08/2006 | 00h00

O gasoduto Bolívia-Brasil está perto de atingir sua capacidade máxima de transporte de gás natural: 30 milhões de metros cúbicos por dia. O diretor-superintendente da Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG), Ricardo Salomão, estimou ontem que a plena capacidade de transporte será atingida no fim deste ano. A situação deverá frear o consumo em algumas regiões.

A conjuntura na Bolívia está fazendo com que o sistema chegue à sua capacidade máxima sem que haja novas previsões de investimentos em expansão. Segundo Salomão, ainda não há data para a retomada da execução de projetos.

Para o superintende da TBG, a situação na Bolívia por enquanto não permite uma visibilidade do futuro próximo. Neste momento, há somente idéias de projetos, mas nada está sendo executado. Hoje, explica Salomão, a situação é de um mercado que está demandando gás natural no Brasil. Porém, não há a garantia de suprimento para toda essa demanda, embora já estejam ocorrendo investimentos pesados da Petrobras na Bacia de Campos, Santos e no Espírito Santo para diminuição da dependência do gás da Bolívia.

Salomão acredita, no entanto, que a situação será normalizada porque há negociações em andamento e a conjuntura não só prejudicaria o Brasil, como também na sua visão, seria um grande problema para a Bolívia uma eventual interrupção do fornecimento.

Sem investir em expansão e chegando à capacidade total, a TBG tem focado na manutenção dos dutos e prevenção de acidentes. De acordo com Salomão, os treinamentos e recursos destinados à manutenção serão cada vez maiores por conta da aproximação do limite de capacidade. Ele explica que na região Sul, que depende do gás da Bolívia, os recursos destinados à manutenção neste ano devem somar R$ 15 milhões. No ano passado, eles foram de R$ 12 milhões. Já para 2007, a previsão é aumentá-los para 18 milhões.

A chegada à plena capacidade também está levando a TBG a investir US$ 9 milhões na compra de novos equipamentos. Ao chegar no limite, o sistema necessita que existam máquinas reservas para sua confiabilidade. Há cidades como Corumbá, no Centro-Oeste, por onde também passa o gasoduto, onde os equipamentos existentes já estão operando em plena capacidade.

Ontem, na divisa dos municípios de Biguaçu e Antônio Carlos (SC), a TBG realizou um exercício de simulação de vazamento de gás para treinamento de funcionários e equipes da defesa civil.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar