acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Comércio Exterior

Fabricantes de tubos querem salvaguardas contra China

18/11/2005 | 00h00

Os fabricantes brasileiros de tubos de aço poderão ser mais um setor da economia a solicitar ao governo a abertura de processo de salvaguardas contra a China. Duas importações recentes de tubos chineses feitas por empresas do Ceará e Pernambuco, por preços inferiores aos praticados no mercado interno, estão causando preocupação na indústria. Há receio de que o produto chinês provoque a desorganização do mercado interno.

O assunto vem sendo estudado pela Associação Brasileira da Indústria de Tubos e Acessórios de Metal (Abitam). O diretor-executivo da Abitam, José Adolfo Siqueira, disse que a decisão de solicitar a ação poderá se basear na ameaça de as importações chinesas de tubos causarem dano à indústria nacional. A possibilidade é prevista no decreto que instituiu as salvaguardas contra a China, lembrou.

O temor dos fabricantes brasileiros de tubos de aço ganhou força por dois fatos ocorridos este ano. Em janeiro, a Rússia abriu processo de investigação de salvaguardas contra tubos chineses. Em agosto, foi a vez dos EUA iniciarem processo semelhante contra tubos com costura comuns, produzidos na China. Nos dois casos, ainda é esperada uma decisão final.

Caso Rússia e EUA adotem medidas de defesa comercial contra os tubos chineses, a China irá buscar outros mercados, provocando o que no jargão comercial se chama de "desvio de comércio".

A China tem capacidade para produzir cerca de 15 milhões de toneladas de tubos com costura por ano e, em 2005, deve produzir 11,2 milhões de toneladas.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar