acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo

Exportações de Angola superam cota da Opep

18/12/2009 | 10h07
As exportações de petróleo angolanas vão se manter acima de 1,8 milhão de barris diários em fevereiro, apesar de um leve recuo em comparação com o mês anterior, de acordo com as previsões de exportação das operadoras de blocos no país.


O número, porém, supera a cota determinada para Angola pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).


As previsões divulgadas nesta quinta-feira, que incluem petrolíferas como BP, Chevron e Exxon Mobil, apontam para 1,816 milhão de barris diários que serão exportados em fevereiro de 2010, um total de 50,8 milhões de barris.


No mês que vem, a previsão é de 57,5 milhões de barris, ou 1,856 milhão diários, bem acima da cota atribuída a Angola pela organização petrolífera.


De acordo com Angola, atualmente sua cota é de 1,656 milhão de barris, mas os cálculos de analistas de mercado citados pela agência Bloomberg apontam para apenas 1,517 milhão de barris.


O cartel, que se reúne em Angola no dia 22 de dezembro, não publica dados relativos às cotas de cada país.


Respeito às cotas


A Opep apelou aos países-membros para respeitar seus limites, em um contexto em que a Agência Internacional de Energia (AIE) estima que o cumprimento é de apenas 62%.


As exportações angolanas recuaram em novembro e em dezembro, quando ficaram em 1,76 milhão de barris.


Segundo o ministro angolano do Petróleo, José Maria Botelho de Vasconcelos, o país tem reservas de petróleo que permitem manter uma produção diária de 1,9 milhão de barris diários durante 15 anos.


As reservas petrolíferas que garantem os atuais níveis de produção e capacidade extrativa em Angola apontadas por Botelho de Vasconcelos, também presidente em exercício da Opep, são de 13,1 bilhões de barris.


Graças ao corte imposto pela organização na produção e à diminuição do preço, entre 2007 e 2008, o setor petrolífero angolano reduziu sua participação no Produto Interno Bruto (PIB) do país, de 58,3% para 38,9%.


Fonte: Agência Lusa
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar