acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Queda

Exportações chinesas têm recuo em setembro

14/10/2013 | 09h58

 

As exportações da China tiveram uma queda inesperada em setembro, sinalizando os limites impostos pela fraca demanda global à recuperação da segunda maior economia do mundo.
A Administração Geral Alfandegária anunciou no sábado que os embarques para o exterior apresentaram um recuo de 0,3% na comparação com setembro de 2012, enquanto as importações subiram 7,4%.
Um porta-voz da agência estatal procurou minimizar o resultado negativo. "Às vezes, os números de um único mês não conseguem contar toda a história, e também há outros fatores", afirmou Zheng Yuesheng. "Vejo isso como algo sazonal."
Analistas, porém, ficaram decepcionados. Todos os 46 ouvidos em pesquisa da agência Bloomberg esperavam desempenho melhor. A estimativa mediana dos entrevistados era de uma alta de 5,5% em setembro, após os 7,2% registrados em agosto.
"Tem havido desde julho uma recuperação nas exportações para os Estados Unidos e a Europa, mas muito fraca", disse Shen Jianguang, economista-chefe para a Ásia da Mizuho Securities Asia. "Nesse momento, a força motriz para a recuperação da China continuam sendo os investimentos no setor imobiliário e em infraestrutura."
As exportações para Coreia do Sul, Taiwan e União Europeia apresentaram queda em relação à setembro do ano passado. Já as vendas aos EUA subiram 4,2% - mas abaixo dos 6,1% de agosto.

As exportações da China tiveram uma queda inesperada em setembro, sinalizando os limites impostos pela fraca demanda global à recuperação da segunda maior economia do mundo.


A Administração Geral Alfandegária anunciou no sábado que os embarques para o exterior apresentaram um recuo de 0,3% na comparação com setembro de 2012, enquanto as importações subiram 7,4%.


Um porta-voz da agência estatal procurou minimizar o resultado negativo. "Às vezes, os números de um único mês não conseguem contar toda a história, e também há outros fatores", afirmou Zheng Yuesheng. "Vejo isso como algo sazonal."


Analistas, porém, ficaram decepcionados. Todos os 46 ouvidos em pesquisa da agência Bloomberg esperavam desempenho melhor. A estimativa mediana dos entrevistados era de uma alta de 5,5% em setembro, após os 7,2% registrados em agosto.


"Tem havido desde julho uma recuperação nas exportações para os Estados Unidos e a Europa, mas muito fraca", disse Shen Jianguang, economista-chefe para a Ásia da Mizuho Securities Asia. "Nesse momento, a força motriz para a recuperação da China continuam sendo os investimentos no setor imobiliário e em infraestrutura."


As exportações para Coreia do Sul, Taiwan e União Europeia apresentaram queda em relação à setembro do ano passado. Já as vendas aos EUA subiram 4,2% - mas abaixo dos 6,1% de agosto.

 



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar