acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Etanol

EUA devem continuar como principal destino

15/03/2007 | 00h00

O Brasil deve continuar tendo os Estados Unidos como principal destino das exportações de álcool em 2007, apesar do recente aumento na produção americana de etanol e de uma esperada queda nos preços do biocombustível, disseram, ontem, analistas da F.O.Licht. Os EUA foram o destino de aproximadamente metade dos 3,5 bilhões de litros de etanol exportados pelo Brasil em 2006.

"O preço do etanol brasileiro cairá e os valores nos EUA apenas recuarão lentamente", disse o especialista em etanol da F.O.Licht Christoph Berg, durante seminário da consultoria em São Paulo, acrescentando que "o Brasil ainda terá possibilidade de exportar para os EUA".

Grande parte dos embarques brasileiros de etanol entram nos EUA após serem processados em países do Caribe, como a Jamaica e El Salvador, de modo a evitar a tarifa de importação norte-americana de 54 centavos de dólar por galão. "Os embarques caribenhos aumentarão um pouco em relação ao ano passado, talvez em 100 milhões de litros", disse Berg.

O Brasil exportou cerca de 1,7 bilhão de litros de etanol diretamente para os EUA e aproximadamente 300 milhões de litros via Caribe, de acordo com Ângelo Bressan Filho, diretor do departamento de açúcar e etanol do Ministério da Agricultura. Alguns analistas têm dito que as exportações de etanol do Brasil podem ser endereçadas a outros mercados, em vez do americano, devido a um esperado aumento na produção de etanol dos EUA.

"O Brasil exportará para os EUA neste ano por causa do preço", disse Berg. "Haverá espaço para exportações diretas neste ano caso o preço do etanol caia para menos de US$ 400 por metro cúbico".

O Brasil também exportou diretamente para os EUA, apesar da tarifa, quando houve queda no preço do etanol no mercado interno brasileiro, no início de 2006. Na época, ocorreu o pico da colheita de cana-de-açúcar no Centro-Sul e a proibição do governo sobre a utilização do MTBE, aditivo de combustíveis produzido a partir do petróleo.

"A questão é para onde irá o excedente de etanol brasileiro que normalmente segue para os EUA", disse Berg, acrescentando que os preços brasileiros poderiam cair o suficiente e que haveria escassez de destinos para o biocombustível. "Os embarques diretos do etanol brasileiro para os EUA podem cair até 700 mil litros", previu Berg.



Fonte: Agência Reuters
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar