acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petrobrás

Estatal dá prioridade ao Irã

03/04/2007 | 00h00

Apesar dos apelos do governo americano para que deixe o Irã, a Petrobrás tem no país sua base para expansão no Oriente Médio. A estatal brasileira já tem uma subsidiária local, a Petrobrás Middle East, que tem entre suas missões buscar oportunidades em outros países da região. Até agora, a empresa opera apenas um bloco exploratório no Irã, chamado Tusan, em águas do Golfo Pérsico. Na primeira fase de exploração, deve investir US$ 35 milhões.

A Petrobrás evitou comentar as declarações recentes de representantes do governo dos Estados Unidos sobre sua atuação no Irã. No final da semana passada, antes da visita do presidente Lula, a embaixada americana no Brasil divulgou nota afirmando que os negócios da estatal prejudicam a pressão internacional contra o programa nuclear iraniano.

A companhia chegou ao Irã em 2003, como primeiro passo de sua volta ao Oriente Médio, onde não atua desde o fim da década de 70. Na época, a empresa foi expulsa do Iraque, logo após descobrir o campo de Majnoon, um dos maiores do país. Em troca, recebeu garantias de fornecimento de petróleo por alguns anos.

A volta ao Oriente Médio foi decidida no planejamento estratégico de 2003. `A volta ao Irã é estratégica, como ponto de partida para o principal objetivo, que é o de reconquistar a participação no Oriente Médio, a região mais rica do mundo em reservas de petróleo`, diz a estatal em sua página da internet.

A avaliação de oportunidades na região, afirma o texto, é a missão mais importante da Petrobrás Middle East, que tem equipe brasileira e sede em Teerã. O embargo citado do governo dos EUA, na prática, afastou apenas as companhias americanas do Irã - atualmente, há empresas européias no país, o quarto maior exportador de petróleo, com 10% das reservas e 5% da produção mundial.

A Petrobrás pretende iniciar a primeira perfuração no bloco de Tusan ainda este ano. Caso encontre petróleo, poderá desenvolver um projeto de produção, mas não terá a propriedade dos volumes extraídos. O modelo iraniano é de prestação de serviços, e os concessionários são remunerados pelos investimentos, mas entregam a produção à estatal National Iranian Oil Company (Nioc).

O modelo é rechaçado pela Petrobrás na maioria dos países em que atua, tendo sido, importante foco de conflito com o governo da Bolívia no último ano. Porém, a direção da estatal acredita que, em alguns casos, atuar como prestadora de serviços garante maior aproximação com governos refratários ao capital estrangeiro.

Fonte: O Estado de São Paulo



Fonte: O Estado de São Pau
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar