acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Indústria Naval

Estaleiro Aliança batiza e entrega o CBO Copacabana

19/12/2012 | 12h05

 

Estaleiro Aliança batiza e entrega o CBO Copacabana
 
Rio de Janeiro e Niterói – 19/12/2012 – O Estaleiro Aliança hoje, dia 19/12/2012, às 16h, o batismo e entrega à CBO - Companhia Brasileira de Offshore do navio CBO Copacabana, em evento realizado no próprio estaleiro.
 
O CBO Copacabana é um navio de apoio marítimo do tipo PSV 4.500 (Platform Supply Vessel), para suprimento a plataformas de produção de petróleo em alto-mar. Vai operar para a Petrobras. Será o 19º navio da frota da CBO, formada por navios tecnologicamente sofisticados. 
 
A madrinha do CBO Copacabana será a senhora Conceição de Maria Braga Conte Sena, esposa do diretor da CBO e Estaleiro Aliança, Paulo Conte.
 
O presidente da CBO, do Estaleiro Aliança e da Aliança Offshore, Luiz Maurício Portela, informa que o CBO Copacabana foi construído no Estaleiro Aliança, em Niterói, com financiamento do Fundo de Marinha Mercante (FMM), do Ministério dos Transportes, concedido pelo BNDES, e incentivos dos governos federal e estadual.
 
Com o CBO Copacabana o Estaleiro Aliança atingiu a meta de entregar quatro navios em 2012: CBO Atlântico, em janeiro de 2012; CBO Pacífico, em abril de 2012; e o CBO Flamengo, em agosto de 2012. Outros dois novos navios especializados em transporte de fluidos especiais estão em construção para a CBO no Estaleiro Aliança, com entregas previstas em 2013. 
 
A CBO opera no segmento de navegação de apoio marítimo, no suprimento às plataformas, na atividade de reboque de plataformas e manuseio de âncoras, flotel, na proteção ambiental com embarcações de recolhimento de óleo e em operações com ROV (Veículo Submarino de Operação Remota). 
 Sobre o CBO Copacabana
O CBO Copacabana é o segundo navio de uma nova série tipo PSV 4.500. Incorpora inovações tecnológicas a partir do formato do casco X-Bow da projetista norueguesa Ulstein. O formato da proa propicia melhor comportamento em mar agitado, melhorando o desempenho no apoio marítimo a plataformas de petróleo em campos a mais de 200 km da costa, onde se localiza a nova fronteira de produção de petróleo offshore do pré-sal.
 
Essa série de navios será dotada de sistema de propulsão diesel-elétrico, uma solução aprovada no mercado mundial. O sistema de propulsão diesel-elétrico dá maior flexibilidade no uso do conjunto de motores, principalmente nas aplicações que exigem muitas manobras como é o caso do suprimento a plataformas de petróleo ou com veículos submarinos de operação remota (ROV – Remote Operated Vehicle), nas tarefas de instalações submarinas, inspeção ou mapeamento de redes subaquáticas. Os novos navios terão sistemas de posicionamento dinâmico com redundância para maior segurança das operações e sistemas de comunicação de dados e de voz de última geração, via satélite.
CBO Copacabana - Características
 
Tipo 
 PSV
 
Comprimento total (m)
 88,8
 
Comprimento LPP (m)
 82,0
 
Boca (m)
 19,0
 
Pontal (m)
 8,0
 
Calado máximo (m)
 6,5
 
Porte bruto (t)
 4.500
 
Propulsão – diesel-elétrica
  
 
Geração de energia (kW)      
 1 x 360
4 x 1.710
 
Propulsores laterais (kW)
 2 x 800
 
Velocidade (nós)
 14 
 
 
Sobre a CBO e o Estaleiro Aliança
A Companhia Brasileira de Offshore (CBO), o Estaleiro Aliança e o Aliança Offshore são empresas brasileiras do Grupo Fischer. A CBO está em operação desde 1978. Sua frota é formada por 19 navios de apoio marítimo. A sede da CBO é no Rio de Janeiro e a base de operações está em Macaé (RJ). O Estaleiro Aliança foi adquirido em 2004 e está instalado em Niterói (RJ).
 
Desde 1999, os investimentos da CBO geram empregos em estaleiros no estado do Rio de Janeiro na construção de navios tecnologicamente  sofisticados. Os três primeiros navios do tipo PSV construídos pela CBO foram pioneiros no processo de recuperação da indústria naval no Rio de Janeiro.
 
A frota da CBO é composta por19 navios:
CBO Campos; CBO Rio; CBO Vitória; CBO Guanabara; CBO Chiara; CBO Valentina; CBO Anna Gabriella; CBO Manoella; CBO Isabella; CBO Anita; CBO Carolina; CBO Bianca; CBO Ana Luisa; CBO Alessandra; CBO Renata; CBO Atlântico, CBO Pacífico, CBO Flamengo e CBO Copacabana.

O Estaleiro Aliança batiza e entrega hoje à CBO (Companhia Brasileira de Offshore), o navio CBO Copacabana, em evento realizado no próprio estaleiro. A embarcação é um navio de apoio marítimo do tipo PSV 4.500 (Platform Supply Vessel), para suprimento a plataformas de produção de petróleo em alto-mar. Vai operar para a Petrobras. Será o 19º navio da frota da CBO, formada por navios tecnologicamente sofisticados. 


 
A madrinha do CBO Copacabana será a senhora Conceição de Maria Braga Conte Sena, esposa do diretor da CBO e Estaleiro Aliança, Paulo Conte.


 
O presidente da CBO, do Estaleiro Aliança e da Aliança Offshore, Luiz Maurício Portela, informa que o CBO Copacabana foi construído no Estaleiro Aliança, em Niterói, com financiamento do Fundo de Marinha Mercante (FMM), do Ministério dos Transportes, concedido pelo BNDES, e incentivos dos governos federal e estadual.


 
Com o CBO Copacabana o Estaleiro Aliança atingiu a meta de entregar quatro navios em 2012: CBO Atlântico, em janeiro de 2012; CBO Pacífico, em abril de 2012; e o CBO Flamengo, em agosto de 2012. Outros dois novos navios especializados em transporte de fluidos especiais estão em construção para a CBO no Estaleiro Aliança, com entregas previstas em 2013. 


 
A CBO opera no segmento de navegação de apoio marítimo, no suprimento às plataformas, na atividade de reboque de plataformas e manuseio de âncoras, flotel, na proteção ambiental com embarcações de recolhimento de óleo e em operações com ROV (Veículo Submarino de Operação Remota). 


Sobre o CBO Copacabana

 


O CBO Copacabana é o segundo navio de uma nova série tipo PSV 4.500. Incorpora inovações tecnológicas a partir do formato do casco X-Bow da projetista norueguesa Ulstein. O formato da proa propicia melhor comportamento em mar agitado, melhorando o desempenho no apoio marítimo a plataformas de petróleo em campos a mais de 200 km da costa, onde se localiza a nova fronteira de produção de petróleo offshore do pré-sal.


 
Essa série de navios será dotada de sistema de propulsão diesel-elétrico, uma solução aprovada no mercado mundial. O sistema de propulsão diesel-elétrico dá maior flexibilidade no uso do conjunto de motores, principalmente nas aplicações que exigem muitas manobras como é o caso do suprimento a plataformas de petróleo ou com veículos submarinos de operação remota (ROV – Remote Operated Vehicle), nas tarefas de instalações submarinas, inspeção ou mapeamento de redes subaquáticas. Os novos navios terão sistemas de posicionamento dinâmico com redundância para maior segurança das operações e sistemas de comunicação de dados e de voz de última geração, via satélite.

 

CBO Copacabana - Características

Tipo

PSV

Comprimento total (m)

88,8

Comprimento LPP (m)

82,0

Boca (m)

19,0

Pontal (m)

8,0

Calado máximo (m)

6,5

Porte bruto (t)

4.500

Propulsão – diesel-elétrica

 

Geração de energia (kW)     

1 x 360

4 x 1.710

Propulsores laterais (kW)

2 x 800

Velocidade (nós)

14 

 

 
A frota da CBO é composta por 19 navios:


CBO Campos; CBO Rio; CBO Vitória; CBO Guanabara; CBO Chiara; CBO Valentina; CBO Anna Gabriella; CBO Manoella; CBO Isabella; CBO Anita; CBO Carolina; CBO Bianca; CBO Ana Luisa; CBO Alessandra; CBO Renata; CBO Atlântico, CBO Pacífico, CBO Flamengo e CBO Copacabana.



Fonte: Redação TN
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar