acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Política

Espírito Santo diz que perde R$ 11 bilhões com nova regra de royalties

07/11/2012 | 12h32

 

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), afirmou nesta terça-feira (7) que a decisão da Câmara dos Deputados de votar um texto do Senado que cria novas regras de redistribuição dos royalties do petróleo foi desequilibrada e rompe com o pacto federativo. Ele espera que a presidente Dilma Rousseff vete a matéria. Caso o veto da presidente seja derrubado pelo Congresso Nacional, Casagrande frisou que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).
Segundo o governador, o estado do Espírito Santo e seus municípios devem perder, entre 2013 e 2020, algo em torno de R$ 11 bilhões em receitas. “Estamos confiantes de que a presidente vai vetar”, frisou Casagrande. Ele disse ainda que já entrou em contato com o gabinete da presidente Dilma e também tenta uma conversa com a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti.
Na terça (6), a Câmara aprovou projeto do Senado que cria novas regras de distribuição de royalties, o que prejudica Estados produtores como Rio de Janeiro e São Paulo. As novas regras aumentam o repasse dos royalties para Estados não produtores.
Já o governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, defendeu que a distribuição dos royalties e participação especial seja válida apenas para o que não foi contratado. “Nossa visão é de que aquilo que já foi contratado deve se manter a regra já preestabelecida e daqui para frente se estabelece um critério novo seja para distribuição de royalties seja para participações especiais. Agora é preciso aguardar para ver qual será a posição do poder Executivo”, frisou Alckmin.
Casagrande e Alckmin acabaram de chegar ao Ministério da Fazenda. O ministro Mantega se reúne nesta manhã com os governadores dos Estados brasileiros para discutir a unificação da alíquota interestadual do Imposto sobre Comercialização de Mercadorias e Serviços (ICMS).

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), afirmou nesta terça-feira (7) que a decisão da Câmara dos Deputados de votar um texto do Senado que cria novas regras de redistribuição dos royalties do petróleo foi desequilibrada e rompe com o pacto federativo. Ele espera que a presidente Dilma Rousseff vete a matéria. Caso o veto da presidente seja derrubado pelo Congresso Nacional, Casagrande frisou que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).


Segundo o governador, o estado do Espírito Santo e seus municípios devem perder, entre 2013 e 2020, algo em torno de R$ 11 bilhões em receitas. “Estamos confiantes de que a presidente vai vetar”, frisou Casagrande. Ele disse ainda que já entrou em contato com o gabinete da presidente Dilma e também tenta uma conversa com a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti.


Na terça (6), a Câmara aprovou projeto do Senado que cria novas regras de distribuição de royalties, o que prejudica Estados produtores como Rio de Janeiro e São Paulo. As novas regras aumentam o repasse dos royalties para Estados não produtores.


Já o governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, defendeu que a distribuição dos royalties e participação especial seja válida apenas para o que não foi contratado. “Nossa visão é de que aquilo que já foi contratado deve se manter a regra já preestabelecida e daqui para frente se estabelece um critério novo seja para distribuição de royalties seja para participações especiais. Agora é preciso aguardar para ver qual será a posição do poder Executivo”, frisou Alckmin.


Casagrande e Alckmin acabaram de chegar ao Ministério da Fazenda. O ministro Mantega se reúne nesta manhã com os governadores dos Estados brasileiros para discutir a unificação da alíquota interestadual do Imposto sobre Comercialização de Mercadorias e Serviços (ICMS).

 



Fonte: Valor Online
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar