acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia elétrica

Espírito Santo discute construção de térmica

19/01/2005 | 00h00

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo do Espírito Santo, Julio Bueno, disse que o estado está reivindicando, junto ao governo federal, a construção de uma termoelétrica de 400 MW, para reduzir a dependência do Rio de Janeiro. Segundo estimativa do secretário, o investimento necessário é de US$ 300 milhões.
Bueno contou que recebeu vários interessados no projeto. No ano passado, o empresário Eike Batista, da MPX, procurou o governo. Bueno não informa os nomes dos demais investidores e nem dá detalhes sobre o andamento das conversas com Batista. O contato do presidente da MPX ocorreu antes da disputa que está sendo travada entre ele e a Petrobras sobre a TermoCeará. A estatal ameaça ir à Justiça para denunciar desequilíbrio econômico-financeiro com a térmica, usina do tipo "merchant".
Bueno explicou que a expectativa do Espírito Santo é que no leilão de energia nova, ainda sem data marcada pelo Ministério de Minas e Energia, seja oferecida concessão para construção de uma térmica no Estado. Mas o grupo ou investidor interessado no projeto terá que participar do leilão e ganhar essa concessão.
"Achamos importante uma térmica aqui, em primeiro lugar, porque somos ponta de linha do sistema de transmissão. Em segundo lugar porque temos gás", afirma Bueno. Ele complementa explicando que hoje o estado importa 85% da energia que consome, dos quais cerca de 80% chegam através de duas linhas de transmissão do Rio de Janeiro.
A Celesc e a Eletrosul divulgaram ontem nota informando que um problema técnico na subestação da Eletrosul, em Blumenau, provocou apagão de 52 minutos na cidade e região no fim da tarde de segunda-feira. O problema deixou 566.264 consumidores sem energia. A falha aconteceu durante uma ação de rotina de abertura do disjuntor, segundo a Eletrosul. A Aneel deu prazo de 24 horas para que a Eletrosul encaminhe relatório sobre o ocorrido.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar