acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Bacia de Santos

Especialistas criticam escolha de Santos para gerenciar bacia

13/01/2006 | 00h00

O anúncio da Petrobras de escolher Santos como a cidade onde ficará a unidade de negócios que vai gerenciar a produção da bacia de Santos foi criticado por especialistas em petróleo. O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, em resposta às críticas, afirmou que "a decisão foi absolutamente técnica".

A Petrobras vai investir, sozinha ou em parcerias, US$ 18 bilhões na exploração e produção de petróleo e gás natural na Bacia de Santos, que vai da Região dos Lagos (RJ) até a costa norte de Santa Catarina. Niterói (RJ) era a outra cidade candidata a receber a unidade de negócios da estatal.

De acordo com Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE), o que determinou a escolha foi a variável política, com forte pressão das entidades de classe paulistas, como a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e a Abdib (Associação Brasileira de Infra-Estrutura e Indústrias de Base).

Para Pires, do ponto de vista técnico, tanto Santos como Niterói têm condições de receber a estrutura da Petrobras.

O economista Edmar Luiz Fagundes de Almeida, do Grupo de Economia de Energia da UFRJ, afirmou que a Petrobras deveria ter sido mais transparente sobre os motivos que levaram à escolha.

A Petrobras afirmou que os critérios da escolha foram divulgados com total transparência. O argumento principal é que Santos se localiza geograficamente no meio da bacia e a cidade comporta uma unidade da Petrobras. Outro ponto é que 52% da bacia está no Estado de São Paulo. O terceiro é a distribuição dos cinco pólos de exploração na bacia, com predominância de São Paulo.



Fonte: Folha de São Paulo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar