acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Equador diz que 2 empresas de petróleo devem rejeitar acordo

22/11/2010 | 09h05
Duas empresas internacionais de petróleo estão determinadas a rejeitar contratos oferecidos pelo governo do Equador, por conta da proposta do país membro da Opep de aumentar a receita estatal do setor, disse o presidente Rafael Correa, no sábado.


O prazo final para que executivos assinem novos contratos que irão eliminar acertos de participação nos lucros em favor de contratos por serviços de tarifa plena expira na terça-feira. O governo diz que as empresas que não assinarem os novos pactos terão que deixar o país.


"Perdemos umas duas empresas, que pena", disse Correa, segundo a mídia estatal do país.


O líder de esquerda não mencionou quaisquer empresas pelo nome, mas várias companhias, como a Petrobras e duas firmas controladas pela maior petrolífera e produtora de gás da China, a CNPC, recusaram os termos que estão sendo oferecidos.


Em entrevista ao site estatal de notícias El Ciudadno, Correa teria afirmado: "Vamos assinar contratos com a grande maioria das empresas que aceitar os novos contratos, e talvez um par de companhias que queiram deixar o país terão suas concessões encerradas."


Wilson Pástor, o ministro equatoriano de Recursos Naturais Renováveis, disse na sexta-feira esperar que as divergências pudessem ser contornadas a tempo de os acordos serem assinados na terça-feira.


Outras companhias de petróleo envolvidas nas negociações são a espanhola Repsol-YPF e a italiana Eni.


Os novos contratos são essenciais para agenda de Correa de aumentar a receita estatal proveniente dos setores de energia e da mineração.


As empresas chinesas Andes Petroleum e PetroOriental, ambas controladas pela CNPC, ameaçaram buscar arbitragem, alegando que as negociações foram "marcadas pela falta de transparência - em termos de aceite ou saia, de ameaças de confisco e de pressões para aceitar as condições."




Fonte: Redação/ Agências
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar