acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Negócios

Empresas alemãs buscam parceiros em biogás

06/11/2012 | 15h09

 

Representantes de quatro empresas alemãs especializadas em produtos e serviços para produção de energia a partir de biomassa e biogás visitam a capital paulista entre 27 e 30 de novembro em busca de parceiros. A delegação participa de seminário gratuito sobre as aplicações desta tecnologia no dia 27, no Club Transatlântico, a partir das 9 horas. A programação está disponível no site da Câmara Brasil-Alemanha (AHK-SP na sigla em alemão), organizadora do evento. Inscrições são limitadas e devem ser feitas até o dia 26.
As empresas alemãs em vista ao Brasil procuram distribuidores, representantes e clientes, cujo perfil basicamente contempla todo tipo de organização empresarial que produza ou tenha de lidar com resíduos orgânicos, tais como projetos pecuários, produtores de cana-de-açúcar, processadores de suco de frutas, indústrias de papel e celulose e de alimentos em geral. Após o seminário, nos dias 28 e 29 a delegação visita potenciais parceiros já identificados pela AHK. Os perfis das empresas visitantes (Biogas Höre GmbH, A.H.T Pyrogas, Suncoal e Wico-Tec) e as cooperações desejadas por elas estão no site da Câmara.
Para o diretor do Departamento de Meio Ambiente, Energias Renováveis e Eficiência Energética da AHK, Ricardo Rose, a diversificação da matriz energética e a adoção de fontes alternativas de energia a partir de biogás ou biomassa pode vir a ser uma estratégia eficiente para o enfrentamento da crescente demanda brasileira por energia. “Uma alternativa para sustentar essa expansão é olhar para exemplos conquistados por outros mercados no setor de energias renováveis, como biogás e biomassa, nos quais a Alemanha se encontra atualmente na vanguarda”, pontua.
Rose lembra que a biomassa e o biogás são grandes apostas da Alemanha para a produção energética e para a substituição total da energia nuclear da matriz energética por fontes renováveis, que deve ser concluída até 2020. Entre 1999 a 2011, o número de unidades de produção de biogás no país europeu saltou de cerca de 700 para cerca de 7.200 unidades, o que representa capacidade instalada de aproximadamente 2.850 MW em operação, o equivalente à produção de energia de duas usinas nucleares, ou energia suficiente para atender cinco milhões de alemães.
“Essa experiência positiva também vem sendo feita no Brasil em granjas suinícolas da região sul. No entanto, o impacto social e ambiental poderia maior se as tecnologias mais modernas para a produção de biogas fossem mais acessíveis”, diz a coordenadora do Departamento, Daniely Andrade. Na Alemanha, com a decisão de banir a energia nuclear, o setor de energias renováveis tem passado por uma revolução tecnológica que está elevando - e muito - os atuais índices de produtividade. “O biogás, nesse contexto, tem se tornado cada vez mais estratégico na política energética alemã”, finaliza Andrade.

Representantes de quatro empresas alemãs especializadas em produtos e serviços para produção de energia a partir de biomassa e biogás visitam a capital paulista entre 27 e 30 de novembro em busca de parceiros. A delegação participa de seminário gratuito sobre as aplicações desta tecnologia no dia 27, no Club Transatlântico, a partir das 9 horas. A programação está disponível no site da Câmara Brasil-Alemanha (AHK-SP na sigla em alemão), organizadora do evento. Inscrições são limitadas e devem ser feitas até o dia 26.


As empresas alemãs em vista ao Brasil procuram distribuidores, representantes e clientes, cujo perfil basicamente contempla todo tipo de organização empresarial que produza ou tenha de lidar com resíduos orgânicos, tais como projetos pecuários, produtores de cana-de-açúcar, processadores de suco de frutas, indústrias de papel e celulose e de alimentos em geral. Após o seminário, nos dias 28 e 29 a delegação visita potenciais parceiros já identificados pela AHK. Os perfis das empresas visitantes (Biogas Höre GmbH, A.H.T Pyrogas, Suncoal e Wico-Tec) e as cooperações desejadas por elas estão no site da Câmara.


Para o diretor do Departamento de Meio Ambiente, Energias Renováveis e Eficiência Energética da AHK, Ricardo Rose, a diversificação da matriz energética e a adoção de fontes alternativas de energia a partir de biogás ou biomassa pode vir a ser uma estratégia eficiente para o enfrentamento da crescente demanda brasileira por energia. “Uma alternativa para sustentar essa expansão é olhar para exemplos conquistados por outros mercados no setor de energias renováveis, como biogás e biomassa, nos quais a Alemanha se encontra atualmente na vanguarda”, pontua.


Rose lembra que a biomassa e o biogás são grandes apostas da Alemanha para a produção energética e para a substituição total da energia nuclear da matriz energética por fontes renováveis, que deve ser concluída até 2020. Entre 1999 a 2011, o número de unidades de produção de biogás no país europeu saltou de cerca de 700 para cerca de 7.200 unidades, o que representa capacidade instalada de aproximadamente 2.850 MW em operação, o equivalente à produção de energia de duas usinas nucleares, ou energia suficiente para atender cinco milhões de alemães.


“Essa experiência positiva também vem sendo feita no Brasil em granjas suinícolas da região sul. No entanto, o impacto social e ambiental poderia maior se as tecnologias mais modernas para a produção de biogas fossem mais acessíveis”, diz a coordenadora do Departamento, Daniely Andrade. Na Alemanha, com a decisão de banir a energia nuclear, o setor de energias renováveis tem passado por uma revolução tecnológica que está elevando - e muito - os atuais índices de produtividade. “O biogás, nesse contexto, tem se tornado cada vez mais estratégico na política energética alemã”, finaliza Andrade.

 



Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar