acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
8ª Rodada

Empresários preocupados com validade das aquisições

29/11/2006 | 00h00

A preocupação do empresariado é sobre a validade das aquisições concedidas na primeira fase do leilão. Os representantes de empresas participantes na 8ª Rodada admitiiram a frustração devido ao encerramento do leilão, mas também ponderaram que este o episódio demonstra o poder das instituições democráticas no país.

O presidente da Starfish, Rafael Dória, opina que o evento aumenta o risco licitatório do Brasil e reduz a atratividade. Ele acredita, no entanto, ser possível realizar uma nova licitação até o primeiro trimestre de 2007, se forem apresentados os blocos não vendidos dessa vez. "Sobre esses blocos, os estudos já estão feitos o que demandaria menos tempo", acredita.

O vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Norsk Hydro, Luís Amorim, comentou a preocupação com a possibilidade de que os blocos adquiridos nesta 8ª Rodada possam ser cancelados, embora tenham maior confiança na proposição legal da ANP segundo a qual o leilão estava dentro da legalidade até o momento da liminar e, portanto, o que foi concedido até este momento estaria consolidado. A Norsk Hydro adquiriu três blocos na Bacia de Santos, um deles como operadora e, segundo Amorim, tinha a intenção de adquirir mais blocos. Amorim considera, por outro lado, que este evento demonstra que o país tem instituições democráticas confiáveis e que todos podem se ver representados institucionalmente.

O representante da japonesa Inpex, Yoshiyuri Hayashi, comentou que a empresa tem a intenção de voltar a outras licitações no Brasil, apesar da interrupção desta. A Inpex, estreante em licitações brasileiras, adquiriu um bloco exploratório na bacia de Santos em parceria com a Petrobras.

Sobre a validade das aquisições, o diretor geral da ANP, Haroldo Lima, informou que a argumentação da Procuradoria da ANP e do Ministério das Minas e Energia é de que as aquisições feitas até agora estão consolidadadas porque ocorreram segundo as regras que estavam vigentes no momento, enquanto não havia nenhuma liminar válida.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar