acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Biomassa

Embrapa e ABDI se unem para mapear e fortalecer o aproveitamento de biomassas

08/08/2018 | 17h33

A importância do agronegócio na economia brasileira já é amplamente divulgada e documentada em números e estatísticas. Em 2017, este setor alcançou a sua contribuição recorde para o Produto Interno Bruto (PIB) do País, 23,5%, e foi responsável por 48% das exportações. Sistemas informatizados dos mais variados tipos gerenciam as atividades agropecuárias no Brasil, medindo insumos, produção, mercado, entre outros fatores envolvidos nesse cenário, que há décadas mantém o predicado de carro-chefe da economia nacional. Por outro lado, a produção de resíduos e efluentes resultantes dessas atividades não possuem o mesmo nível de tecnologia e organização. Para tentar reverter essa situação, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) se uniram para desenvolver um sistema que vai mapear e organizar as informações das biomassas, resíduos e efluentes do agronegócio brasileiro com foco na bioeconomia.

Transformação de biomassa em energia

Uma das aplicações mais importantes, do ponto de vista econômico, é a transformação da biomassa em energia. O déficit de distribuição e da qualidade energética é um dos maiores problemas enfrentados hoje no Brasil. Segundo estimativas da Associação Brasileira de Engenharia de Produção (Abepro), aproximadamente 40% da produção agroindustrial são perdidas hoje no País em decorrência de instabilidade de energia, o que representa um prejuízo de 52 milhões de reais por ano.

O uso de biomassa residual é uma opção viável para a substituição dos derivados de petróleo no Brasil. Um exemplo emblemático é a utilização do bagaço da cana-de-açúcar na indústria sucroalcooleira para gerar vapor e suprir a energia e eletricidade necessárias ao funcionamento das usinas.

"Esse é apenas um dos exemplos de sucesso de utilização de materiais residuais da agropecuária", pontua o pesquisador da Embrapa Agroenergia Bruno Laviola, lembrando que a Embrapa Agroenergia vem trabalhando em tecnologias para aproveitamento racional de biomassa desde a sua criação em 2006. "O objetivo é colocar esse conhecimento à disposição da sociedade, contribuindo para a geração de renda e emprego, além de incrementar a geração de energia renovável", complementa o pesquisador.

Antonio Tafuri, especialista da ABDI responsável pelo projeto, esclarece que a demanda por quantidade e qualidade de energia pelas cadeias agroindustriais foi verificada em Sorriso e região, considerando a oferta crescente de biomassa e uma sorte de resíduos e efluentes advindos daquelas atividades. "É importante observar que a metodologia que queremos desenvolver e validar junto aos produtores será replicável em todo território brasileiro", afirma.

Os resíduos vegetais são abundantes no Brasil e sua utilização em novos materiais traz a possibilidade de alavancar a economia do País. O desenvolvimento de tecnologias para o tratamento e a utilização de resíduos visando à redução dos custos de produção e da poluição ambiental representa, ao mesmo tempo, um grande desafio e a perspectiva de desenvolvimento sustentável.

"Os resíduos são uma questão preocupante para os produtores e para o meio ambiente, quando descartados de modo inadequado. Nas visitas que fizemos à região, observamos o imenso potencial na agricultura e na pecuária, que pode não só reduzir custos de produção como também representar uma nova fonte de renda, por meio da comercialização da energia excedente", esclarece Roberto Pedreira, da ordenação de Adensamento Produtivo da ABDI. "A ideia é trabalhar junto com a Embrapa Agroenergia neste banco de dados nacional em torno da biomassa, efluentes e resíduos e, principalmente, subsidiar políticas públicas aplicáveis em todo o país."

Tecnologias integradas em prol da economia sustentável

Laviola lembra que a intenção é que o novo sistema "converse" com outros softwares já em uso na Embrapa para gestão agropecuária, que disponibiliza ferramentas de planejamento da produção com as indicações das datas mais apropriadas para o plantio e colheita das culturas agrícolas, entre outros.

Ainda de acordo com o pesquisador, a expectativa é que a iniciativa abra portas para outras oportunidades de cooperação com o setor produtivo local. O fato de a Embrapa Agroenergia ser uma das empresas credenciadas da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) torna mais fácil e ágil a formação de parcerias com empresas para desenvolvimento de projetos de PD&I.

"O novo sistema se encaixa perfeitamente no âmbito da inovação aberta, no qual indústrias e organizações combinam ideias, processos e pesquisas para melhorar o desenvolvimento de seus produtos, prover melhores serviços para seus clientes e aumentar a eficiência e reforçar o valor agregado", reforça Laviola, lembrando que o projeto piloto no Mato Grosso é o ponto de partida para expandir a sua atuação para outras regiões brasileiras.



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar