acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mão de Obra

Em campanha salarial, petroleiros pedem reajuste de 20,32%

08/08/2013 | 14h47

 

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) protocolou na Petrobras a pauta de reivindicações de sua campanha salarial. Entre as demandas, está o aumento de 20,32% na tabela de salários, pedido de maneira escalonada.
Em 2012, a categoria teve reajuste equivalente à inflação na tabela de salários e de 8,16% na tabela de remunerações. Esta última soma os salários aos adicionais a que cada função tem direito e corresponde aos valores que os trabalhadores realmente ganham.
O texto pede ainda que o piso seja equivalente ao salário mínimo necessário calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em setembro. Em julho, último dado disponível, ele valia R$ 2.750,83.
O auxílio alimentação, continua a pauta, deve variar de acordo com o subitem “alimentação fora de casa” do Índice de Custo de Vida (ICV) do Dieese apurado nos 12 meses encerrados em agosto. Os petroleiros pedem também auxílio alimentação de R$ 700.
A FUP representa 150 mil trabalhadores da categoria dos petroleiros da Petrobras, Transpetro e subsdiárias, que têm data-base em setembro. A entidade propôs à Petrobras que a primeira rodada de negociações aconteça entre quinta e sexta-feira da próxima semana.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) protocolou na Petrobras a pauta de reivindicações de sua campanha salarial. Entre as demandas, está o aumento de 20,32% na tabela de salários, pedido de maneira escalonada.


Em 2012, a categoria teve reajuste equivalente à inflação na tabela de salários e de 8,16% na tabela de remunerações. Esta última soma os salários aos adicionais a que cada função tem direito e corresponde aos valores que os trabalhadores realmente ganham.


O texto pede ainda que o piso seja equivalente ao salário mínimo necessário calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em setembro. Em julho, último dado disponível, ele valia R$ 2.750,83.


O auxílio alimentação, continua a pauta, deve variar de acordo com o subitem “alimentação fora de casa” do Índice de Custo de Vida (ICV) do Dieese apurado nos 12 meses encerrados em agosto. Os petroleiros pedem também auxílio alimentação de R$ 700.


A FUP representa 150 mil trabalhadores da categoria dos petroleiros da Petrobras, Transpetro e subsdiárias, que têm data-base em setembro. A entidade propôs à Petrobras que a primeira rodada de negociações aconteça entre quinta e sexta-feira da próxima semana.

 



Fonte: Valor Online
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar