acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia elétrica

Em 13 anos a indústria economizou R$ 70 bilhões no mercado livre de energia

30/08/2017 | 10h48
Em 13 anos a indústria economizou R$ 70 bilhões no mercado livre de energia
Divulgação Divulgação

A indústria nacional no mercado livre de energia obteve uma redução média de 21% na conta de luz de 2003 até 2016. A conclusão é do mais recente estudo lançado pela Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) como contribuição para a Consulta Pública 033/17 de reformulação do marco legal do setor. Nesse período de 13 anos, a economia estimada para as empresas com liberdade de escolha do fornecedor foi de R$ 70 bilhões.

Durante todo o período analisado, em estudo encomendado à consultoria Thymos, o preço da energia no Ambiente Livre de Contratação (ACL) foi sempre menor do que as tarifas praticadas no mercado regulado. “Percebe-se como a liberdade de escolha do fornecedor é vital para a competitividade do setor produtivo”, explica Reginaldo Medeiros, presidente da Abraceel. “Por esse motivo, pleiteamos que o ministério das Minas e Energia acelere o cronograma de empresas elegíveis a esse ambiente”, complementa.

Segundo a Abraceel, os benefícios da abertura dos mercados de energia não se limitam aos preços. Pela experiência internacional, verifica-se que, em mercados com ampla elegibilidade, os fornecedores, para manter seus clientes em um mercado contestável, oferecem uma variedade de produtos e serviços, como preços diferenciados pelo horário de uso (time-of-use), diferentes opções de pagamento e até mesmo opções para geração distribuída.

“De acordo com a Comissão Européia, a abertura dos mercados de energia à competição permitiu aos consumidores se beneficiar com preços menores e novos serviços que proporcionam maior eficiência e auxiliam a tornar a economia mais competitiva”, conclui Medeiros.



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar