acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

EDP oficializa oferta de 14% do capital da filial brasileira

20/05/2011 | 09h53
A EDP Energias de Portugal oficializou ontem o pedido à Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) de emissão secundária de ações da EDP Energias do Brasil.


A empresa vai vender 14% do capital que detém em sua subsidiária brasileira, o que no dia 17 de maio equivalia a R$ 740 milhões, segundo o prospecto preliminar da operação. A oferta poderá se ampliada, dependendo da demanda.


A venda faz parte de um pacote para combater a profunda crise econômica e financeira a que está submetida o governo português, que é o principal acionista da EDP. A subsidiária brasileira responde por 20% da capacidade de geração de caixa do grupo. Justamente com a crise, grandes elétricas nacionais esperavam que a decisão fosse a de se vender ativos no Brasil, principalmente as distribuidoras. Mas a preferência do grupo português foi vender parte dos quase 65% que detém do capital EDP Energias do Brasil. Assim, pelo menos por enquanto, a Bandeirante e a Escelsa (distribuidoras que atuam nos Estados de São Paulo e Espírito Santo) vão continuar no portfólio do grupo.


Além dessa operação no Brasil, o governo português, que é dono de 25% da EDP em Portugal, também negocia a venda de até 10 pontos percentuais dessa fatia à Eletrobras.


"A Eletrobras é o parceiro preferencial nessa transação", disse nesta semana o presidente da estatal brasileira, José da Costa Carvalho Neto, que para efetivar o negócio impõe a condição de participar da gestão da companhia.


Carvalho Neto explicou que não tem interesse em comprar as ações que estão sendo vendidas no Brasil e somente a participação diretamente na holding em Portugal. A estatal brasileira tem intenção de se internacionalizar e ao comprar a EDP, que atua em todo o mundo, poderia começar a concretizar esse desejo.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar