acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Infra-estrutura

Duto de álcool vai ligar Centro-Oeste ao Sudeste

28/02/2007 | 00h00

A Petrobras, a construtora Camargo Corrêa e a trading japonesa Mitsui assinaram ontem um memorando de entendimentos para realizar estudos para a construção de um duto para transporte de álcool ligando a região Centro-Oeste ao município de São Sebastião, no litoral paulista. O empreendimento tem como objetivo reduzir os custos de transporte de álcool do interior do país para o mercado externo. Atualmente, o transporte do produto é feito por caminhões. A parceria das três empresas no setor alcoleiro prevê a instalação de 40 destilarias de álcool.

Segundo estimativas preliminares, o projeto poderá custar até US$ 500 milhões. O trajeto proposto sai do município de Senador Canêdo (GO) e chega a um terminal operado pela Petrobras em São Sebastião (SP), passando por regiões produtoras em Minas Gerais e São Paulo. Cálculos do mercado apontam que o duto poderá reduzir o custo de transporte do álcool dos atuais US$ 4 para até US$ 0,80 por metro cúbico.

"A análise da implantação deste empreendimento visa a reduzir os custos de transporte do etanol produzido na região central do país para atender o mercado externo, bem como dispor de logística no momento em que os volumes de exportação de etanol para o mercado japonês e demais mercados internacionais demandarem quantidades expressivas", informou, em nota oficial, a estatal brasileira.

Petrobras e Mitsui estimam que o mercado japonês poderá consumir até 3 bilhões de litros por ano a partir de 2010, quando automóveis e usinas térmicas do país passarão a utilizar o combustível. A parceria entre as duas empresas prevê que a Mitsui se encarregue prioritariamente da produção de álcool no Brasil, enquanto a Petrobras cuidará do transporte e logística das exportações.

Em 2006, o Brasil exportou cerca de 3,5 bilhões de litros, a maior parte destinada aos Estados Unidos, já como reflexo da redução. A tendência é que as exportações para o mercado americano aumentem a partir dos acordos bilaterais que serão assinados durante a visita do presidente George W. Bush ao País.

Além da redução de custos, os estudos buscam oferecer a melhor logística possível no momento em que os volumes de etanol voltado para mercados externos aumentarem consideravelmente, como é previsto pela Petrobras. Recentemente, a estatal iniciou a venda de álcool para a Nigéria. A primeira carga é de 20 milhões de litros, vendida à estatal Nigerian National Petroleum Corporation (NNPC).

A Petrobras já exporta álcool para a Venezuela desde 2005, e negocia ainda com Estados Unidos e Japão a venda de etanol. Para o país asiático, a estatal firmou parceria com a Japan Alcohol Trading e criou a empresa Brazil-Japan Ethanol, que nasceu com a missão de promover o uso do etanol entre os japoneses. A expectativa é que as primeiras vendas para o mercado japonês aconteçam a partir de 2009.



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar