acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Álcool

Donos de transportadora e postos arrendam usina

07/04/2005 | 00h00

Os empresários José Alberto Abrão Miziara e Marcelo Marques, que têm negócios nas áreas de postos e transporte de combustíveis, arrendaram por 12 anos as instalações industriais e agrícolas da usina Galo Bravo, única empresa de açúcar e álcool instalada no próprio município de Ribeirão Preto (SP). A nova empresa foi constituída como Central Energética Ribeirão Preto de Açúcar e Álcool e deve começar a processar cana da nova safra a partir do dia 18 de abril.
Segundo Eduardo Corrêa da Silva, diretor agroindustrial da Central Energética, a usina deverá moer cerca de 1,3 milhão de toneladas na safra 2005/06. Se confirmado volume processado, será um aumento de 53% sobre a safra passada, a 2004/05. O valor do negócio não foi divulgado.
O arrendamento foi negociado em novembro passado, mas a operação só foi concluída no início deste ano. Os empresários anunciam oficialmente hoje, em Ribeirão Preto, sua entrada no setor sucroalcooleiro. "Vamos sentir o mercado para saber qual será o direcionamento da nossa safra", afirmou Corrêa ao Valor.
De acordo com ele, os empresários tiveram de negociar um acordo trabalhista com os cerca de 250 funcionários da empresa, ligados à antiga gestão, no qual foi assegurado garantia de emprego por 24 meses. O empresário José Alberto Abrão Miziara é fornecedor de cana, com produção na região de Penápolis (SP).
A ex-Galo Bravo, atual Central Energética Ribeirão Preto, era controlada pelo usineiro Alexandre Balbo Neto, parente do empresário Leontino Balbo, que administra as usinas Santo Antonio e São Francisco, produtoras do açúcar orgânico da marca Native.
A região de Ribeirão Preto é o principal pólo produtor de cana-de-açúcar do país. No entanto, apenas a Central Energética está instalada no município de Ribeirão Preto. As demais usinas da região estão em cidades vizinhas.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar