acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Divisão de serviços de energia da Carlson Wagonlit Travel está presente em mais de 50 países

01/06/2011 | 12h18
A Carlson Wagonlit Travel, líder mundial em gerenciamento de viagens de negócios, conta com uma divisão especial para o mercado de energia, a CWT EnergyServices, que está presente em mais de 50 países. Com forte representatividade no faturamento global da empresa, a divisão cresce 30% ao ano.


“A CWT hoje é a maior player neste negócio de energia. Alcançamos esta posição ao desenvolver um knowhow bastante específico para atender este mercado, que exige um apoio operacional muito personalizado. Muitos destes clientes precisam deslocar ao redor do mundo equipes de perfuração e grandes equipamentos de mais de 100 pessoas, inclusive para locais muito remotos. E foi neste tipo de operação que nos especializamos e ganhamos mercado”, assinala Luiz Fernando Costa, diretor sênior de EnergyServices para América Latina.


De acordo com Costa, a área de energia na empresa vem crescendo uma média de 30% ao ano desde 2006, quando foi criada a divisão no mercado brasileiro. “Foi uma área rentável em 2009, o que nos ajudou muito a atravessar a crise econômica”, ressalta. “Surgiram muitas demandas para regiões como Macaé, no Rio de Janeiro, e nos litorais de São Paulo, Espírito Santo e no Nordeste. Para os próximos anos, esperamos um crescimento ainda maior ”, acrescenta.


Centralizada no Rio de Janeiro, a CWT Energy tem quase 100 funcionários no Brasil. Entre outros requisitos, estes consultores precisam ser bilíngues, ter muita experiência em logística e conhecimento técnico do setor.


“Precisamos estar sempre preparados para imprevistos, como as condições climáticas, que podem alterar nossos planos de logística a qualquer instante. Além disso, temos que lidar com diversos níveis hierárquicos nas organizações. Quando uma empresa inaugura uma plataforma no Brasil, cerca de 80% da mão-de-obra é estrangeira e esta equipe permanece no País por volta de seis meses até começar a nacionalização da plataforma. Ganhar esta expertise leva tempo e, por isso, estamos certos que prosseguiremos na liderança também neste segmento”, finaliza Costa.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar