acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Decisão

Dilma tira Graça Foster e toda a diretoria do comando da Petrobras

04/02/2015 | 10h17
Dilma tira Graça Foster e toda a diretoria do comando da Petrobras
Agência Petrobras Agência Petrobras

Diante dos escândalos de corrupção na Petrobras, a perda de valor e credibilidade da empresa no mercado, a presidente Dilma Rousseff decidiu tirar Graça Foster da presidência e trocar toda a diretoria da estatal em março. Com o intuito de evitar um desgaste maior e preservar a imagem da instituição, arranhada pelos sucessivos desdobramentos da Operação Lava Jato, Dilma teve que abrir mão de sua amiga, abalada e disposta a deixar o cargo.

A gota d'água foi a forma como Graça Foster conduziu a divulgação do balanço contábil-financeiro da Petrobras, referente ao terceiro trimestre de 2014, um arremedo de números mal apurados que nem sequer foram auditados ainda. A diretoria da empresa estimou que R$ 88 bilhões foram desviados como resultado da corrupção. Mas Dilma não concordou e tomou a interpretação desse valor como uma “previsão amadora”.

Sofrendo uma forte oscilação no valor de seus papéis, a Petrobras e os seus acionistas viram as suas ações subirem 15% com os rumores da saída de Graça Foster. A expectativa era de que o encontro dela com a presidente Dilma em Brasília selasse um desfecho. Os nomes para substítui-la ainda estão sendo sondados pelo Palácio do Planalto. Joaquim Levy e Alexandre Tombini, ministro da Fazenda e presidente do Banco Central, respectivamente, ajudam na procura.

Especula-se sobre a possibilidade de Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central, assumir a vaga deixada para presidente. Entretanto, Dilma não simpatiza tanto com Meirelles, o que pode dificultar a sua escolha. O favorito é Rodolfo Landim, que trabalhou por 26 anos na Petrobras e transita entre o mercado e o perfil técnico exigido para ocupar tal posição. Também correm por fora Roger Agnelli, ex-presidente da Vale, e o presidente da Caoa, Antonio Maciel Neto. A troca ocorrerá somente após a publicação do balanço auditado.

Quem quer que seja, o novo comandante terá um grande desafio pela frente: renegociar dívidas, restaurar a confiança dos investidores através da credibilidade da empresa e ter pulso firme para não se render à pressões políticas de partidos da base governista. Ontem (3) a agência classificadora de riscos Fitch rebaixou a nota da Petrobras.



Fonte: Redação TN Petróleo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar