acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Rio+20

Defesa da hidreletricidade faz contraponto na Rio+20

20/06/2012 | 14h01
O diretor de Coordenação, Nelton Friedrich, e o superintendente ajunto de Engenharia da Itaipu Binacional, Jorge Habib Hanna El Khouri, engrossaram ontem (19), na Rio+20, no Forte de Copacabana, o coro em defesa do uso da hidreletricidade na matriz energética brasileira.
 
 
“Qualquer país que busca a soberania não pode abrir mão, em hipótese alguma, de sua segurança energética. Temos que diversificar, mas respeitando a nossa vocação natural que, no caso do Brasil, é a hidroeletricidade”, disse Habib.
 
 
Ele ressaltou ainda a importância de se ter políticas públicas para diminuir o desperdício de energia, como forma de respeitar o que a natureza proporcionou.
 
 
No mesmo evento, representantes das federações de industriais Fiesp e Firjan, num debate sobre energia,  haviam feito a mesma defesa. A matriz energética brasileira é 85% composta de hidreletricidade, considerada forma limpa e renovável de geração de energia.
 
 
Promovido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Unido, Eletrobras, Itaipu Binacional e União das Indústrias de Cana de Açúcar (Unica), o seminário abordou a importância das energias renováveis para o desenvolvimento sustentável.
 
 
 
Segundo o gerente do Departamento de Infraestrutura da Fiesp, Roberto Moussallen, a energia hidrelétrica é uma fonte que oferece três pilares importantes para o desenvolvimento: segurança energética, baixa emissão de gases do efeito estufa e baixo custo de geração.

 
 
“É uma fonte de energia muito importante, sobretudo para países que ainda têm grande potencial de aproveitamento, principalmente na América do Sul, na África e na Ásia”, afirmou Moussallen.
 
 
O diretor de Coordenação da Itaipu, Nelton Friedrich, destacou o papel social e ambiental das hidrelétricas para o desenvolvimento sustentável. E citou como exemplo o Programa Cultivando Água Boa (CAB), que ampliou a sua atuação para além do seu reservatório.

 
O Cultivando Água Boa tem como metodologia utilizar a educação ambiental e o sistema de parcerias para solucionar os passivos ambientais dos 29 municípios da Bacia do Paraná 3.  “É uma proposta simples, que envolve toda a comunidade”.  O programa atinge um milhão de pessoas direta e indiretamente.
 
 
Outro ponto forte do programa é o apoio de Itaipu aos produtores rurais, localizados da Bacia do Paraná 3, na recomposição da mata ciliar de suas propriedades, num total de 1.320 quilômetros. Em torno do reservatório, a Itaipu já plantou 46 milhões de árvores. A empresa também incentiva a agricultura familiar e orgânica, o uso de plantas medicinais e a sustentabilidade de comunidades indígenas, pescadores e catadores de materiais recicláveis.

 
 
Plantio direto
 
 
O diretor de Geração da Eletrobras, Valter Luiz Cardeal de Souza, elogiou a política ambiental da Itaipu.  E usou como exemplo o incentivo ao plantio direto, que contém a erosão do solo e aumenta a vazão do reservatório, elevando, inclusive, a condição de geração de energia.
 
 
“O lago de uma hidrelétrica é uma fonte de vida. Ele produz energia elétrica, facilita o transporte fluvial, permite a aquicultura, a irrigação, novas fontes permanentes de água potável, o lazer e o turismo”, afirmou. Várias ações de Itaipu na área ambiental serviram de âncora para o projeto de Belo Monte.
 
 
Também participaram do debate Claude Nahon, vice-presidente para Desenvolvimento Sustentável da EDF, e Paolo Frankl, chefe de Energias Renováveis da AEI Energy. Eles apresentaram as ações desenvolvidas na área de energias renováveis, em especial os investimentos que estão sendo feitos para ampliar a produção hidrelétrica de energia.


Luz que se renova

 
Cerca de 85% da energia que abastece nossas casas, nosso ambiente de trabalho e lugares públicos vem de fontes renováveis.
 
 
Essa eletricidade é gerada a partir de recursos que se renovam naturalmente. A energia hidráulica é renovável porque a água (quando bem cuidada) é um recurso que não se esgota.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar