acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Educação

Curso de engenharia química adota educação cooperativa

06/01/2015 | 09h47

A Escola Politécnica (Poli) da USP está em busca de novas parcerias com empresas para ampliar a oferta de vagas de estágios para os alunos do curso de engenharia química. Reconhecido com um dos melhores do país, o curso segue a metodologia da Educação Cooperativa, na qual as atividades acadêmicas são alternadas com estágios. As empresas parceiras têm a vantagem de poder contratar estagiários em tempo integral, com disponibilidade para atuar em qualquer parte do Brasil ou do exterior, e com competências claramente definidas.

Diferentemente do sistema tradicional, no qual o aluno precisa conciliar os estudos com o estágio, no curso cooperativo ele pode se dedicar integralmente às atividades da empresa. “Na prática, o aluno frequenta os dois primeiros anos da graduação em regime semestral e, a partir do terceiro, ingressa no regime quadrimestral, quando alterna atividades acadêmicas com estágios. No total, são 16 meses de estágios em tempo integral, divididos em quatro módulos”, explica o engenheiro Caio Gonçalves Reginato, coordenador de Estágios do curso de Engenharia Química.

Desde o primeiro módulo de estágio os estudantes já têm competências claramente definidas, o que facilita o processo de seleção. “Fornecemos às empresas uma lista das tarefas e das funções que os alunos, de cada módulo, estão aptos a desempenhar”, diz Reginato.

Mobilidade

Além de a empresa dispor em tempo integral de um aluno de graduação em escola de primeira linha, outra grande vantagem é a mobilidade. “Como ele não tem atividades acadêmicas durante o módulo de estágio, a empresa pode contar com o estagiário nos diversos pólos petroquímicos e industriais do Brasil e no exterior. Ele pode acompanhar projetos de Engenharia ou consultoria, por exemplo, em locais mais distantes, de acordo com as necessidades de quem o contrata”, acrescenta.

Atualmente, a Poli mantém parceria com cerca de 30 empresas, tais como Oxiteno, Akzo Nobel, DuPont, Braskem, Procter&Gamble e Raízen. Antes do início de cada quadrimestre, que ocorre nos meses de janeiro, maio e setembro, as ofertas de estágio são divulgadas entre os alunos e as empresas recrutam os interessados seguindo seus próprios critérios de seleção. Anualmente, são necessárias 240 vagas de estágio para suprir a demanda do curso.

O curso cooperativo de Engenharia Química já formou cerca de 600 alunos nos últimos dez anos, sendo que a maioria foi contratada pelas empresas onde eles estagiaram. “Por esse sistema, as empresas testam os estagiários no ambiente real do trabalho, uma vez que eles podem assumir compromissos e envolver-se em projetos com responsabilidades. Esse é um dos motivos do alto índice de contratação”, finaliza Reginato.

As empresas interessadas na parceria podem agendar palestras e divulgar vagas pelos telefones (11) 3091-2273 e/ou email caiogr@usp.br. Outras informações podem ser obtidas nos sites http://www.poli.usp.br/pt/empresas.html e http://www.poli.usp.br/pt/ensino/graduacao/aluno/atendimento-ao-aluno/sobre-a-graduacao-quadrimestral.html.



Fonte: Agência USP de notícias
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar