acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Críticas ao Brasil e China são exageradas

06/03/2014 | 10h19

 

O presidente da Vale, Murilo Ferreira, afirma que há três fatores que vêm influenciando a visão dos investidores sobre a mineradora: os volumes de produção de minério de ferro, a China e o processo eleitoral brasileiro. "Em havendo uma evolução nesses três ambientes, a precificação [da ação] da Vale vai chegar ao nível que ela merece hoje", disse Ferreira ao 'Valor'.
Esses três elementos afetaram as ações da empresa. De janeiro até ontem, a ação preferencial caiu 14,12%, cotada a R$ 28,10 por ação. "Vivemos um começo de ano de verdadeiro apocalipse em relação à China e ao Brasil. E não enxergo essa situação nem em um nem em outro", afirmou o executivo. Para ele, o mundo continua, porém, em ambiente de grande volatilidade e muita incerteza.
No cenário doméstico, como resultado do processo eleitoral, Ferreira avalia que o país está vivendo um FLA x FLU desnecessário. Ele destacou o dado positivo do investimento no PIB do ano passado e reconheceu que o país vive uma valorização cambial "excessiva".
Em 2014, a Vale vai continuar com sua política de desinvestimentos e Ferreira não descarta que a empresa contabilize um valor semelhante aos US$ 6 bilhões obtidos em 2013 com a venda de ativos.

O presidente da Vale, Murilo Ferreira, afirma que há três fatores que vêm influenciando a visão dos investidores sobre a mineradora: os volumes de produção de minério de ferro, a China e o processo eleitoral brasileiro. "Em havendo uma evolução nesses três ambientes, a precificação [da ação] da Vale vai chegar ao nível que ela merece hoje", disse Ferreira ao 'Valor'.

Esses três elementos afetaram as ações da empresa. De janeiro até ontem, a ação preferencial caiu 14,12%, cotada a R$ 28,10 por ação. "Vivemos um começo de ano de verdadeiro apocalipse em relação à China e ao Brasil. E não enxergo essa situação nem em um nem em outro", afirmou o executivo. Para ele, o mundo continua, porém, em ambiente de grande volatilidade e muita incerteza.

No cenário doméstico, como resultado do processo eleitoral, Ferreira avalia que o país está vivendo um FLA x FLU desnecessário. Ele destacou o dado positivo do investimento no PIB do ano passado e reconheceu que o país vive uma valorização cambial "excessiva".

Em 2014, a Vale vai continuar com sua política de desinvestimentos e Ferreira não descarta que a empresa contabilize um valor semelhante aos US$ 6 bilhões obtidos em 2013 com a venda de ativos.

 



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar