Petrobras- 213x420
acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Cotação

Crise na Líbia eleva preço do petróleo

21/02/2011 | 11h40
Como resultado da instabilidade política na Líbia, o preço do petróleo do tipo brent subiu 1,75% hoje (21), atingindo US$ 104,57, maior nível desde o início da crise econômica em 2008. A empresa petrolífera BP anunciou a intenção de evacuar parte de seus 140 funcionários no país, um grande exportador para o mercado europeu. Paralelamente, as ações da petrolífera italiana ENI, que também atua na Líbia, caíram 3,2%.


A Líbia produz 2% do petróleo extraído no mundo, embora seja responsável por 10% do mercado europeu. A Itália é sua maior compradora. A atividade petrolífera é fundamental para a economia líbia, representando 95% de suas exportações e 25% de seu Produto Interno Bruto (PIB).


A companhia ENI informou, no último sábado (19), que suas operações não haviam sido afetadas pela violência que se espalhou naquele dia para a capital, Trípoli. Segundo relatos, uma greve de funcionários fechou o campo de Nafoora, operado por uma subsidiária da petrolífera estatal líbia.


A empresa já interrompeu suas operações em campos onshore (sobre a terra), embora eles ainda estejam em fase preparatória, sem produzir petróleo.


A BP informou ainda que outros campos offshore explorados pela companhia não foram afetados. A chancelaria da Grã-Bretanha recomendou que cidadãos britânicos sem necessidade de permanecer na Líbia deixem o país por meios comerciais desde que seja seguro fazê-lo, e os Estados Unidos aconselharam seus cidadãos a não viajar ao país africano a menos que seja essencial.


O governo da Turquia diz ter recebido 3 mil pedidos de seus cidadãos na Líbia para serem resgatados de avião. O primeiro avião turco foi enviado a Benghazi, epicentro da revolta, ontem (20).


Os mercados de commodities não estão preocupados só com a Líbia, mas também com a ameaça de crescentes tensões no Irã, o segundo maior produtor petrolífero da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).


Há ainda temores de que o maior produtor da Opep, a Arábia Saudita, sucumba à instabilidade, embora o regime saudita ainda não tenha enfrentado protestos. Apesar dos eventos recentes no Oriente Médio, o fornecimento de petróleo ainda não foi interrompido.


Outro país afetado por distúrbios no Oriente Médio, o Bahrein teve sua nota de crédito rebaixada nesta segunda-feira pela agência de classificação de risco Standard and Poor's (S&P). A S&P reduziu em um nível a nota da dívida soberana do Bahrein, de "A" para "A-2", e alertou que poderá baixá-la ainda mais, caso os protestos contra o governo bareinita se intensifiquem.


Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar