acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Crise atual é mais difícil de superar que a de 2008

16/12/2015 | 13h15
Crise atual é mais difícil de superar que a de 2008
Agência Brasil Agência Brasil

 

O economista  Flávio Castelo Branco, gerente de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), disse hoje (1°) que superar a crise econômica atual será mais difícil que em 2008. Segundo ele, a de 2008 foi uma crise externa do setor financeiro internacional, "que repercutiu fortemente aqui com problemas de liquidez".
De acordo com o economista, na época, as ações de política econômica acabaram revertendo a crise. "Hoje é diferente. Temos uma crise doméstica de natureza fiscal, junto a dificuldades de competitividade."
Castelo Branco falou sobre o assunto ao comentar os indicadores industriais de outubro, divulgados nesta terça-feira pela CNI. Os dados coletados pela entidade mostram queda no faturamento, emprego, horas trabalhadas e massa salarial na comparação com 2013 e 2014. Para o gerente da CNI, o fato de o governo ter mantido os gastos em alta e não ter solucionado a questão da competitividade no país contribuiu para a crise econômica de 2015.
"As medidas de recuperação da demanda em 2009 se mostraram eficazes. Foram tipicamente anticíclicas [nome dado a ações adotadas para enfrentar um ciclo econômico e que, em época de recessão, envolvem estímulo ao consumo e aumento de gastos]. O problema foi continuar com elas mesmo depois que a economia brasileira já tinha se recuperado. Nosso problema não era mais de demanda, mas de competitividade. Terminou tendo um custo fiscal elevado para o Tesouro", afirmou Flávio Castelo Branco.
O economista também afirmou que o resultado do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país), divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ,"não surpreendeu". Segundo o IBGE, o PIB brasileiro recuou 1,7% no terceiro trimestre do ano e o PIB específico da indústria caiu 1,3%.
Conforme Castelo Branco, a queda de investimentos na indústria é "expressiva". "As quedas são bastante expressivas e a recuperação futura acaba sendo comprometida."
Castelo Branco acrescentou que o setor vê 2016 "com apreensão". "Os problemas de 2014 não foram solucionados em 2015. Muitos deles se agravaram e, como estão sendo transferidos para 2016, vamos começar o próximo ano com as mesas dificuldades presentes", concluiu.

O economista  Flávio Castelo Branco, gerente de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), disse hoje (1°) que superar a crise econômica atual será mais difícil que em 2008. Segundo ele, a de 2008 foi uma crise externa do setor financeiro internacional, "que repercutiu fortemente aqui com problemas de liquidez".
De acordo com o economista, na época, as ações de política econômica acabaram revertendo a crise. "Hoje é diferente. Temos uma crise doméstica de natureza fiscal, junto a dificuldades de competitividade."

Castelo Branco falou sobre o assunto ao comentar os indicadores industriais de outubro, divulgados nesta terça-feira pela CNI. Os dados coletados pela entidade mostram queda no faturamento, emprego, horas trabalhadas e massa salarial na comparação com 2013 e 2014. Para o gerente da CNI, o fato de o governo ter mantido os gastos em alta e não ter solucionado a questão da competitividade no país contribuiu para a crise econômica de 2015.

"As medidas de recuperação da demanda em 2009 se mostraram eficazes. Foram tipicamente anticíclicas [nome dado a ações adotadas para enfrentar um ciclo econômico e que, em época de recessão, envolvem estímulo ao consumo e aumento de gastos]. O problema foi continuar com elas mesmo depois que a economia brasileira já tinha se recuperado. Nosso problema não era mais de demanda, mas de competitividade. Terminou tendo um custo fiscal elevado para o Tesouro", afirmou Flávio Castelo Branco.

O economista também afirmou que o resultado do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país), divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ,"não surpreendeu". Segundo o IBGE, o PIB brasileiro recuou 1,7% no terceiro trimestre do ano e o PIB específico da indústria caiu 1,3%.

Conforme Castelo Branco, a queda de investimentos na indústria é "expressiva". "As quedas são bastante expressivas e a recuperação futura acaba sendo comprometida."

Castelo Branco acrescentou que o setor vê 2016 "com apreensão". "Os problemas de 2014 não foram solucionados em 2015. Muitos deles se agravaram e, como estão sendo transferidos para 2016, vamos começar o próximo ano com as mesas dificuldades presentes", concluiu.

 



Fonte: Agência Brasil
Autor: Mariana Branco
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar