acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo e Gás

Cresce disputa por blocos de exploração no Piauí e Maranhão

16/11/2011 | 11h51
A 11ª Rodada de Licitação de Blocos Exploratórios, da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), nem foi aprovada e já existe uma disputa acirrada por blocos que podem ser ofertados na bacia do Parnaíba, nos estados do Piauí e Maranhão. A partir de resultados levantados pela agência reguladora sobre a região, e das descobertas divulgadas pela empresa OGX, a ANP sugeriu a licitação de 20 blocos no próximo leilão, que ainda não tem data definida. Em entrevista ao Valor, Magda Chambriard, diretora da agência reguladora, afirmou que "há, pelo menos, quatro empresas pleiteando disputar a região".

A agência já licitou dez blocos na bacia do Parnaíba. Hoje, oito são operados pela OGX, que já fez descobertas importantes na região. Magda afirmou que a companhia já perfurou dez poços para avaliação e em sete obteve indicação de gás. "Sobre os outros três ainda não temos informação", disse Magda.

A OGX apresentou à ANP, em maio deste ano, duas declarações sobre o potencial de comercialização de gás natural do bloco PN-T-68, na bacia do Parnaíba. As acumulações estão nos campos de Gavião Azul e Gavião Real. A companhia estima produção de 5,7 milhões de metros cúbicos por dia, em 2013.

As recentes descobertas na região foram estimuladas pelo Plano Plurianual de Geologia e Geofísica (PPA), lançado em 2007 pela ANP, com o objetivo de descobrir novas fronteiras de exploração no país. O plano, financiado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), prevê, até 2014, investimento de R$ 1,8 bilhão em 22 bacias no país.

Segundo Magda, no momento da elaboração do plano, a agência buscou dar prioridade às bacias terrestres, pouco conhecidas. De acordo com ela, o Piauí foi o primeiro estado a receber um levantamento sísmico realizado pela agência. "Resolvemos começar pelos locais de menor IDH [Índice de Desenvolvimento Humano]", explicou.

Até agora, por meio do plano plurianual, a ANP investiu na bacia do Parnaíba cerca de R$ 130 milhões para levantamento de dados que irão detalhar o potencial exploratório da região. A previsão é que sejam investidos mais R$ 210 milhões na bacia do Parnaíba e na bacia de São Luís, no Maranhão, até 2014. A agência reguladora programou, ainda para este ano, a licitação para um levantamento sísmico na bacia do Parnaíba - que já está em andamento -, para o qual serão investidos R$ 60 milhões.

Magda destacou que a agência também está estudando dados levantados na bacia de São Luís, no Maranhão, nos anos 70, pela Petrobras e "os resultados são excelentes". Segundo a diretora, quando a ANP foi criada, a Petrobras passou as informações que tinha sobre as bacias. "É claro que a Petrobras viu isso na época, só que as bacias terrestres grandes estão com mais potencial para gás natural e naquela época, há 30, 40 anos, a gente não procurava gás", disse.

Segundo a diretora, o cenário hoje mudou. "O que estamos vendo agora é uma mudança de panorama. Agora, a gente tem bacias terrestres com potencial para exploração de gás, em um momento que o Brasil tem mercado para gás".


Fonte: Agência Estado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar