acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Pré-Sal

Coppe e Usiminas assinam convênio de pesquisa para o pré-sal

11/02/2010 | 09h37
A Usiminas e o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), da UFRJ, firmam acordo de cooperação científica e tecnológica hoje (11), no Centro de Tecnologia, na Ilha do Fundão. O convênio será assinado pelo vice-presidente de Negócios da Usiminas, Sérgio Leite, e pelo diretor de Tecnologia e Inovação da Coppe,Segen Estefen.


O primeiro projeto do convênio será um estudo para possibilitar uma melhor aplicação do produto siderúrgico no aquecido e crescente mercado de tecnologias voltadas para a exploração de petróleo em alto-mar. O objetivo do estudo será ampliar a compreensão de características e fenômenos metalúrgicos que determinam as propriedades de aços para tubos.


Coordenado pelo professor do Coppe Oscar Rosa Mattos os testes serão realizados no Laboratório de Ensaios Não Destrutivos, Corrosão e Soldagem (LNDC) do Coppe, um dos mais modernos do mundo e cuja atividade é focada no combate à corrosão e à danificação de estruturas usadas pela indústria do petróleo.


A assinatura do acordo marca o início de uma aproximação da Usiminas com o Coppe e a UFRJ, que será consolidada com a implantação de um centro de pesquisa da siderúrgica no Parque Tecnológico da Cidade Universitária, na Ilha do Fundão.


Ao longo de 2010, a Usiminas irá investir R$ 28,9 milhões na área de pesquisa e inovação, aumento de aproximadamente 50% em relação ao orçamento de 2009. Grande parte desse investimento será direcionada a estudos voltados ao desenvolvimento e fabricação de aços com maior valor agregado, para uso em setores que demandam aços com requisitos de desempenho mais restritivos.


Laboratório


Inaugurado em abril de 2009, o LNDC tem 8 mil m² de área construída e conta com equipamentos de última geração. Projetado para testar equipamentos e materiais que serão utilizados na exploração do pré-sal, esse empreendimento, no valor de cerca de R$ 40 milhões, foi financiado pela Petrobras e pelo Fundo CT- Petro, através da Agência Nacional do Petróleo.


O laboratório possui dois grandes tanques de testes: um com água e outro seco. No primeiro, com 12 metros de comprimento, 6 de largura e 7 de profundidade, serão realizados ensaios hidrostáticos, inspeção submarina e fadiga de duto, fundamentais para testar a integridade de equipamentos que entrarão em operação nos campos de petróleo. No segundo tanque, onde serão efetuados ensaios para detectar danos internos nos materiais, por meio de raios gama e raios X, será instalado um acelerador de partículas, único do gênero no país, permitindo a inspeção de grandes equipamentos. Com ele será possível radiografar raisers flexíveis, por exemplo, usados para produção de petróleo no mar.


O laboratório contará com oito câmaras especiais para ensaios com H2S e CO2, em altas pressões e temperaturas, trabalhando com células em autoclaves (alta pressão) e loops (circuito fechado), especialmente concebidos para esta finalidade. Os testes proporcionam maior confiabilidade aos materiais, prevenindo riscos financeiros e ambientais.



Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar