acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Copom inicia hoje reunião para definir taxa básica de juros

16/04/2013 | 10h54

 

A terceira reunião deste ano do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) tem início na tarde desta terça-feira (16). A segunda parte da reunião será realizada na quarta (17), quando o Copom irá anunciar a sua decisão sobre a taxa básica de juros, a Selic.
A mediana (que desconsidera extremos nas projeções) das expectativas de instituições financeiras consultadas pelo BC é que a Selic seja mantida no atual patamar de 7,25%, nesta reunião. Mas os analistas esperam que o BC inicie, em maio, processo de aumento da taxa básica. No próximo mês, a previsão é que a Selic seja ajustada em 0,5 ponto percentual para 7,75% ao ano. Ao final de 2013, a taxa básica deve chegar a 8,5% ao ano, a mesma expectativa para o fim de 2014.
Apesar de a mediana das expectativas indicar manutenção da Selic na reunião deste mês, há instituições financeiras que pensam de modo diferente. Para economistas do banco Itaú, os recentes pronunciamentos do presidente do BC, Alexandre Tombini, indicam alta na taxa básica já neste mês. Tombini tem reiterado que a instituição não é tolerante com a inflação e que está atentamente monitorando os indicadores para tomar a decisão.
Na avaliação de economistas do Itaú, no passado, quando o BC dizia que iria monitorar indicadores econômicos de perto para definir a Selic, isso era um indicativo de que haveria alta. Para os economistas do banco, deve haver aumento de 0,25 ponto percentual na Selic, na reunião do Copom desta semana.
Já para a Tendências Consultoria Econômica, a Selic só deve ser ajustada para cima depois das eleições, em outubro de 2014. Só aí, começaria o ciclo de alta, com aumento de 0,5 ponto percentual. “Teria que ter um aumento de juros importante, mas taxas mais baixas são a grande bandeira do atual governo”, disse a economista Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências. A Selic serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Na avaliação da economista, o governo deve adotar outras medidas para conter a inflação, como mais desonerações para o setor privado.
No dia 2 deste mês, Tombini disse que as taxas de juros da economia devem permanecer mais baixas no país, independentemente de haver ciclos monetários (aumentos da Selic) para combater a inflação. Segundo o presidente do BC, as taxas de juros estão mais baixas devido a mudanças estruturais na economia, como o aumento do acesso da população a serviços bancários nos últimos anos e a ampliação do mercado de crédito.
A Selic passou por um processo de redução, de agosto de 2012, quando caiu de 12,5% para 12% ao ano, até outubro do ano passado (ajustada de 7,50% para 7,25% ao ano). Nas três reuniões seguintes, em novembro de 2012, janeiro e março deste ano, o Copom optou por manter a taxa em 7,25% ao ano.
A expectativa de que haverá alta da Selic neste ano vem do cenário de aumento da inflação. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), escolhido pelo governo para guiar o sistema de metas de inflação, vem subindo desde julho do ano passado, no acumulado em 12 meses. Em março, o índice acumulado chegou a 6,59% e ultrapassou o teto da meta de inflação do governo, que é 6,5%. A última vez que o IPCA havia superado a meta do governo foi em novembro de 2011, quando a taxa registrou variação de 6,64%.
Cabe ao Banco Central fazer com que a inflação fique dentro da meta de inflação no fechamento do ano. A meta, estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional, tem como centro 4,5% e margem de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. De acordo com as projeções do mercado financeiro, o IPCA deve deve fechar este ano acima do centro da meta (4,5%), mas abaixo do limite superior (6,5%). A estimativa das instituições financeiras consultadas pelo BC é que o índice fique em 5,68%.
O Copom, responsável por definir a Selic, reúne-se oito vezes por ano. A taxa é elevada quando o objetivo é estimular a poupança e conter a expansão excessiva da demanda. Quando a procura por bens e serviços cresce, há dificuldade da indústria, do comércio e do setor de serviços de suprir os consumidores na mesma proporção do aumento da demanda. Com isso, a tendência é que preços aumentem.
O comitê não muda os juros básicos quando acredita que o patamar da taxa é suficiente para gerar equilíbrio entre o que se produz, o que se compra e os preços. O Copom pode ainda reduzir a taxa Selic se o objetivo for aquecer o mercado consumidor e estimular a atividade econômica.

A terceira reunião deste ano do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) tem início na tarde desta terça-feira (16). A segunda parte da reunião será realizada na quarta (17), quando o Copom irá anunciar a sua decisão sobre a taxa básica de juros, a Selic.


A mediana (que desconsidera extremos nas projeções) das expectativas de instituições financeiras consultadas pelo BC é que a Selic seja mantida no atual patamar de 7,25%, nesta reunião. Mas os analistas esperam que o BC inicie, em maio, processo de aumento da taxa básica. No próximo mês, a previsão é que a Selic seja ajustada em 0,5 ponto percentual para 7,75% ao ano. Ao final de 2013, a taxa básica deve chegar a 8,5% ao ano, a mesma expectativa para o fim de 2014.


Apesar de a mediana das expectativas indicar manutenção da Selic na reunião deste mês, há instituições financeiras que pensam de modo diferente. Para economistas do banco Itaú, os recentes pronunciamentos do presidente do BC, Alexandre Tombini, indicam alta na taxa básica já neste mês. Tombini tem reiterado que a instituição não é tolerante com a inflação e que está atentamente monitorando os indicadores para tomar a decisão.


Na avaliação de economistas do Itaú, no passado, quando o BC dizia que iria monitorar indicadores econômicos de perto para definir a Selic, isso era um indicativo de que haveria alta. Para os economistas do banco, deve haver aumento de 0,25 ponto percentual na Selic, na reunião do Copom desta semana.


Já para a Tendências Consultoria Econômica, a Selic só deve ser ajustada para cima depois das eleições, em outubro de 2014. Só aí, começaria o ciclo de alta, com aumento de 0,5 ponto percentual. “Teria que ter um aumento de juros importante, mas taxas mais baixas são a grande bandeira do atual governo”, disse a economista Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências. A Selic serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Na avaliação da economista, o governo deve adotar outras medidas para conter a inflação, como mais desonerações para o setor privado.


No dia 2 deste mês, Tombini disse que as taxas de juros da economia devem permanecer mais baixas no país, independentemente de haver ciclos monetários (aumentos da Selic) para combater a inflação. Segundo o presidente do BC, as taxas de juros estão mais baixas devido a mudanças estruturais na economia, como o aumento do acesso da população a serviços bancários nos últimos anos e a ampliação do mercado de crédito.


A Selic passou por um processo de redução, de agosto de 2012, quando caiu de 12,5% para 12% ao ano, até outubro do ano passado (ajustada de 7,50% para 7,25% ao ano). Nas três reuniões seguintes, em novembro de 2012, janeiro e março deste ano, o Copom optou por manter a taxa em 7,25% ao ano.


A expectativa de que haverá alta da Selic neste ano vem do cenário de aumento da inflação. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), escolhido pelo governo para guiar o sistema de metas de inflação, vem subindo desde julho do ano passado, no acumulado em 12 meses. Em março, o índice acumulado chegou a 6,59% e ultrapassou o teto da meta de inflação do governo, que é 6,5%. A última vez que o IPCA havia superado a meta do governo foi em novembro de 2011, quando a taxa registrou variação de 6,64%.


Cabe ao Banco Central fazer com que a inflação fique dentro da meta de inflação no fechamento do ano. A meta, estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional, tem como centro 4,5% e margem de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. De acordo com as projeções do mercado financeiro, o IPCA deve deve fechar este ano acima do centro da meta (4,5%), mas abaixo do limite superior (6,5%). A estimativa das instituições financeiras consultadas pelo BC é que o índice fique em 5,68%.


O Copom, responsável por definir a Selic, reúne-se oito vezes por ano. A taxa é elevada quando o objetivo é estimular a poupança e conter a expansão excessiva da demanda. Quando a procura por bens e serviços cresce, há dificuldade da indústria, do comércio e do setor de serviços de suprir os consumidores na mesma proporção do aumento da demanda. Com isso, a tendência é que preços aumentem.


O comitê não muda os juros básicos quando acredita que o patamar da taxa é suficiente para gerar equilíbrio entre o que se produz, o que se compra e os preços. O Copom pode ainda reduzir a taxa Selic se o objetivo for aquecer o mercado consumidor e estimular a atividade econômica.



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar