acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Copel pretende ser minoritária na aquisição da Rede Energia

03/06/2013 | 16h37

 

A Copel pretende ser minoritária na aquisição da Rede Energia, disse o diretor da empresa, Jorge Andriguetto, em teleconferência com analistas. A ideia é ter uma participação de 49% na companhia que assumirá os ativos e que essa empresa seja de capital privado.
A Copel e a Energisa pediram ao juiz da recuperação judicial do Grupo Rede o direito de apresentar uma proposta de compra dos ativos  para os credores das companhias controladas pelo conglomerado de energia. Os credores realizarão a primeira assembleia na quarta-feira (5), em São Paulo. As duas companhias querem fazer uma oferta alternativa à que foi entregue pela Equatorial e CPFL, que tiveram exclusividade nas negociações no ano passado.
Segundo Andriguetto, a Copel deve conseguir estruturar um plano de recuperação e efetivar o pagamento das primeiras parcelas cem dias depois de ter acesso às informações do grupo Rede. A Copel e Energisa condicionaram a futura apresentação de uma oferta vinculante  à realização de uma auditoria nos números do Grupo Rede. As empresas não tiveram acesso a essas informações, que ficaram restritas à Equatorial e CPFL.
Andriguetto respondeu, contudo, que os valores oferecidos baseiam-se nos balanços apresentados e que a companhia contou com assessores financeiros para formular a proposta inicial. Os analistas mostram-se preocupados com o prazo para concretização da operação de compra, já que as distribuidoras enfrentam uma crise financeira aguda. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) precisa resolver o mais rápido possível a situação das distribuidoras.
A Copel e Energisa propõe pagar em dinheiro R$ 1,3 bilhão, mais R$ 500 milhões em garantias. Esse valor seria desembolsado imediatamente para pagamento das dívidas das companhias. O montante faz parte da proposta total de R$ 3,2 bilhões  que as empresas protocolaram semana passada na 2ª Vara de Falências de São Paulo.
Luiz Eduardo Sebastiani, diretor financeiro da Copel, enfatizou que a empresa só fará aquisições de ativos que apresentem uma rentabilidade maior que a obtida nos negócios atuais da empresa.

A Copel pretende ser minoritária na aquisição da Rede Energia, disse o diretor da empresa, Jorge Andriguetto, em teleconferência com analistas. A ideia é ter uma participação de 49% na companhia que assumirá os ativos e que essa empresa seja de capital privado.


A Copel e a Energisa pediram ao juiz da recuperação judicial do Grupo Rede o direito de apresentar uma proposta de compra dos ativos  para os credores das companhias controladas pelo conglomerado de energia. Os credores realizarão a primeira assembleia na quarta-feira (5), em São Paulo. As duas companhias querem fazer uma oferta alternativa à que foi entregue pela Equatorial e CPFL, que tiveram exclusividade nas negociações no ano passado.


Segundo Andriguetto, a Copel deve conseguir estruturar um plano de recuperação e efetivar o pagamento das primeiras parcelas cem dias depois de ter acesso às informações do grupo Rede. A Copel e Energisa condicionaram a futura apresentação de uma oferta vinculante  à realização de uma auditoria nos números do Grupo Rede. As empresas não tiveram acesso a essas informações, que ficaram restritas à Equatorial e CPFL.


Andriguetto respondeu, contudo, que os valores oferecidos baseiam-se nos balanços apresentados e que a companhia contou com assessores financeiros para formular a proposta inicial. Os analistas mostram-se preocupados com o prazo para concretização da operação de compra, já que as distribuidoras enfrentam uma crise financeira aguda. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) precisa resolver o mais rápido possível a situação das distribuidoras.


A Copel e Energisa propõe pagar em dinheiro R$ 1,3 bilhão, mais R$ 500 milhões em garantias. Esse valor seria desembolsado imediatamente para pagamento das dívidas das companhias. O montante faz parte da proposta total de R$ 3,2 bilhões  que as empresas protocolaram semana passada na 2ª Vara de Falências de São Paulo.


Luiz Eduardo Sebastiani, diretor financeiro da Copel, enfatizou que a empresa só fará aquisições de ativos que apresentem uma rentabilidade maior que a obtida nos negócios atuais da empresa.

 



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar