acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Evento

Conversão de CO2 em combustível é destaque em evento do IBP

30/04/2015 | 10h53
Conversão de CO2 em combustível é destaque em evento do IBP
Divulgação Divulgação

Tecnologias capazes de transformar o gás carbônico em combustível com ajuda da corrente elétrica. Testadas em países da Europa, as novidades tecnológicas neste segmento foram apresentadas nesta quarta-feira, durante o 3º Congresso Brasileiro de CO2, no Rio de Janeiro. O evento é promovido pelo Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP).

Utilizando processos de eletrólise, a Haldor Topsoe, empresa europeia de catálise, conseguiu a conversão de até 70% do CO2 em biogás, disse o consultor da companhia, John Bogild Hansen.

A eletrólise funciona quando uma corrente elétrica é induzida para que dois compostos químicos tenham reação. Assim, eles sofrem decomposição e seus produtos podem ser usados em outras situações, no caso, como combustível.

Segundo Hansen, a conversão de CO2 ajuda a diminuir a emissão do gás carbônico na atmosfera. Conhecido como um dos vilões do aquecimento global, o CO2 é emitido de diversos modos: queima de combustíveis fósseis, uso de fertilizantes e até com a nossa respiração.

Além de Hansen, participou do painel Hans Bolscher, do projeto SCOT (Transformação Inteligente de CO2), que estuda maneiras econômicas mais eficientes do uso do gás carbônico.  

Tendências tecnológicas mundiais e marco regulatório e econômico do CO2 foram outros assuntos abordados durante o último dia do Congresso.

A programação teve ainda sessões técnicas com pesquisadores brasileiros. Entre os trabalhos, foi apresentado pela pesquisadora Ana Cristina de Castro, o resultado do estudo realizado no primeiro laboratório da América Latina de monitoramento de injeção de CO2 em perfurações. O empreendimento fica em Florianópolis, Santa Catarina, e analisa o impacto da injeção de CO2 nos aquíferos, solo, atmosfera e subsuperfície. A pesquisa é coordenada pela Petrobras.



Fonte: Redação / Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar