acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Negócios

Convênio Petrobras-Sebrae eleva o faturamento da cadeia de fornecedores

21/05/2014 | 15h02

 

Com 19 projetos em andamento em 13 estados brasileiros e investimentos previstos de R$ 78 milhões, convenio entre Petrobras e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) contribui para cadeira de fornecedores aumentar faturamento em mais de 50%.
A parceria, em vigor desde 2004 no âmbito do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), se deu em função dos elevados investimentos para o setor brasileiro de petróleo e gás e a necessidade de fomentar o aumento do conteúdo nacional na rede de fornecedores da Petrobras.
Principais resultados obtidos até agora:
• 19 projetos concluídos e 19 em andamento, envolvendo 31 Unidades de Negócios da Petrobras, em 16 estados (AL, AM, BA, CE, ES, MA, MG, MS, PE, PR, RJ, RN, RS, SC, SE e SP);
• 6.032 empresas atendidas no 1° Convênio e 13.242 empresas atendidas no 2° Convênio nas diversas ações dos projetos (palestras, seminários, oficinas, cursos, consultorias, rodadas de negócios, feiras, eventos, orientação para acesso a serviços financeiros, orientação para cadastramento na Petrobras e ONIP - Organização Nacional da Indústria do Petróleo), além de mapeamento de demandas tecnológicas para desenvolvimento e colocação de soluções no mercado por pequenas empresas;
• aumento médio de 51% no faturamento e de 19% nos postos de trabalho em empresas participantes dos projetos, considerando amostragem em 18 projetos do 2° Convênio já encerrados;
• fomento à criação e consolidação de Redes Petro - hoje são 18 Redes Petro em 15 estados. Resultantes do convênio entre Petrobras e Sebrae, as redes de cooperação empresarial visam aumentar a competitividade de empresas fornecedoras de bens e serviços da cadeia de petróleo e gás natural;
• estímulo à interação entre as Redes Petro, gerando um movimento denominado Rede Petro Brasil, que recentemente lançou sua rede social no ambiente do Observatório de Arranjos Produtivos Locais (APL) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Arranjos Produtivos Locais são aglomerações de empresas, localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantêm vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais, tais como governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa;
• realização de 135 rodadas de negócios, com expectativa de negócios acima de R$ 6 bilhões, declarada pelos grandes compradores;
• 11 soluções tecnológicas no mercado, desenvolvidas por pequenas empresas, a partir de demandas tecnológicas mapeadas em áreas de operação e manutenção de Unidades da Petrobras.
Entre as demandas do setor mapeadas pelo convênio Petrobras-Sebrae e atendidas por pequenos fornecedores locais de equipamentos e serviços de alta tecnologia, destacam-se, como exemplo, robôs marinhos para monitorar atividades de exploração e desenvolvimento de fornecedores de uniformes especiais, que já vêm ganhando atenção de grandes empresas.

Com 19 projetos em andamento em 13 estados brasileiros e investimentos previstos de R$ 78 milhões, convenio entre Petrobras e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) contribui para cadeira de fornecedores aumentar faturamento em mais de 50%.

A parceria, em vigor desde 2004 no âmbito do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), se deu em função dos elevados investimentos para o setor brasileiro de petróleo e gás e a necessidade de fomentar o aumento do conteúdo nacional na rede de fornecedores da Petrobras.

Principais resultados obtidos até agora:

• 19 projetos concluídos e 19 em andamento, envolvendo 31 Unidades de Negócios da Petrobras, em 16 estados (AL, AM, BA, CE, ES, MA, MG, MS, PE, PR, RJ, RN, RS, SC, SE e SP);

• 6.032 empresas atendidas no 1° Convênio e 13.242 empresas atendidas no 2° Convênio nas diversas ações dos projetos (palestras, seminários, oficinas, cursos, consultorias, rodadas de negócios, feiras, eventos, orientação para acesso a serviços financeiros, orientação para cadastramento na Petrobras e ONIP - Organização Nacional da Indústria do Petróleo), além de mapeamento de demandas tecnológicas para desenvolvimento e colocação de soluções no mercado por pequenas empresas;

• aumento médio de 51% no faturamento e de 19% nos postos de trabalho em empresas participantes dos projetos, considerando amostragem em 18 projetos do 2° Convênio já encerrados;

• fomento à criação e consolidação de Redes Petro - hoje são 18 Redes Petro em 15 estados. Resultantes do convênio entre Petrobras e Sebrae, as redes de cooperação empresarial visam aumentar a competitividade de empresas fornecedoras de bens e serviços da cadeia de petróleo e gás natural;

• estímulo à interação entre as Redes Petro, gerando um movimento denominado Rede Petro Brasil, que recentemente lançou sua rede social no ambiente do Observatório de Arranjos Produtivos Locais (APL) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Arranjos Produtivos Locais são aglomerações de empresas, localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantêm vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais, tais como governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa;

• realização de 135 rodadas de negócios, com expectativa de negócios acima de R$ 6 bilhões, declarada pelos grandes compradores;

• 11 soluções tecnológicas no mercado, desenvolvidas por pequenas empresas, a partir de demandas tecnológicas mapeadas em áreas de operação e manutenção de Unidades da Petrobras.

Entre as demandas do setor mapeadas pelo convênio Petrobras-Sebrae e atendidas por pequenos fornecedores locais de equipamentos e serviços de alta tecnologia, destacam-se, como exemplo, robôs marinhos para monitorar atividades de exploração e desenvolvimento de fornecedores de uniformes especiais, que já vêm ganhando atenção de grandes empresas.

 



Fonte: Agência Petrobras
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar