acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia Elétrica

Contrato permitirá investimento de R$ 1,241 bi para melhorar eficiência do fornecimento de energia

24/02/2011 | 16h28
Seis distribuidoras de energia elétrica vinculadas à Eletrobrás vão investir, a partir deste ano, no sistema elétrico de seis estados, recursos de R$ 1,241 bilhão. O objetivo é promover melhorias no sistema de fornecimento de energia.


Contrato nesse sentido foi assinado hoje (24) pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o presidente da Eletrobras, José Antônio Muniz, e o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Makhtar Diop. O Banco Mundial vai entrar com o valor de R$ 866,2 milhões, que serão empregados dentro do Programa Energia Mais, coordenado pelo Ministério de Minas e Energia (MME).


A imprensa não teve acesso à solenidade de assinatura do contrato e as informações foram repassadas pela assessoria de Imprensa do ministério. Segundo o MME, o objetivo dos investimentos "é reduzir as perdas elétricas, aumentar as taxas de arrecadação e melhorar a qualidade dos serviços" prestados às populações do Acre, de Alagoas, do Amazonas, Piauí, de Rondônia e Roraima. Essas unidades da Federação são atendidas pelas seis distribuidoras controladas pela Eletrobras: Furnas, Eletronorte, Chesf, Eletrosul, CGTEE e Eletronuclear.


De acordo com o ministério, os investimentos dentro do Programa Energia Mais visam a "reduzir a frequência e a duração das interrupções de energia elétrica, a ampliação do investimento na expansão e melhoria dos sistemas de distribuição, o fortalecimento institucional e a capacitação técnica". "Tudo para tornar o setor elétrico mais dinâmico, eficaz e superar os efeitos de um longo período sem investimentos nas redes de distribuição, bem como a falta de flexibilidade operacional inerente à sua concepção ultrapassada", completou.


Vão ser substituídos equipamentos obsoletos para melhorar a área operacional, obtendo-se, com isso, "melhor qualidade no fornecimento de energia", segundo o ministério. Os recursos vão permitir também a construção de linhas de transmissão e subestações de 69 quilowatts e implantação de softwares para atualizar dados dos clientes e mapear as redes de distribuição.


Na distribuição dos investimentos, o Acre ficará com R$ 112,4 milhões; Alagoas, com R$ 266, 2 milhões; o Amazonas, com R$ 318,7 milhões; o Piauí, com R$ 279,6 milhões; Rondônia, com R$ 206,2 milhões; e Roraima, com R$ 58,2 milhões.


Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar