acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Opinião

Consumidor de energia elétrica não tem voz, diz diretor-geral do ONS

05/09/2012 | 16h35

 

Os consumidores de energia elétrica não têm voz hoje no Brasil e acabam pagando caro por isso. A declaração foi feita nesta quarta-feira (5) pelo diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, em um seminário sobre novas fontes renováveis e redes inteligentes no planejamento energético nacional, promovido pela Coordenação de Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ), na zona norte da capital fluminense.
“O consumidor é mudo (...). Ele paga sem saber o que está pagando e sem saber o que ele não precisaria pagar”, disse Hermes Chipp.
Para o diretor-geral, é preciso aumentar a participação dos conselhos dos Consumidores de Energia Elétrica, pois a defesa do consumidor apenas por parte da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e do ONS não é suficiente.
“Os conselhos de Consumidores têm que se estruturar no país e começar a participar efetivamente, pois são a voz do consumidor. O conselho precisa entender melhor as questões, o que trazem de benefícios, para fazer os pleitos à própria agência reguladora”.
Os conselhos são compostos por representantes de todas as classe de consumo (rural, residencial e industrial, além do Poder Público) e têm o objetivo de orientar, analisar e avaliar questões ligadas ao fornecimento, às tarifas e à adequação dos serviços de energia elétrica prestados ao consumidor final.

Os consumidores de energia elétrica não têm voz hoje no Brasil e acabam pagando caro por isso. A declaração foi feita nesta quarta-feira (5) pelo diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, em um seminário sobre novas fontes renováveis e redes inteligentes no planejamento energético nacional, promovido pela Coordenação de Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ), na zona norte da capital fluminense.


“O consumidor é mudo (...). Ele paga sem saber o que está pagando e sem saber o que ele não precisaria pagar”, disse Hermes Chipp.


Para o diretor-geral, é preciso aumentar a participação dos conselhos dos Consumidores de Energia Elétrica, pois a defesa do consumidor apenas por parte da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e do ONS não é suficiente.


“Os conselhos de Consumidores têm que se estruturar no país e começar a participar efetivamente, pois são a voz do consumidor. O conselho precisa entender melhor as questões, o que trazem de benefícios, para fazer os pleitos à própria agência reguladora”.


Os conselhos são compostos por representantes de todas as classe de consumo (rural, residencial e industrial, além do Poder Público) e têm o objetivo de orientar, analisar e avaliar questões ligadas ao fornecimento, às tarifas e à adequação dos serviços de energia elétrica prestados ao consumidor final.

 



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar