acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Consórcio de Libra

Consórcio de Libra assina carta de intenção para afretamento do primeiro FPSO

10/10/2014 | 10h28
Consórcio de Libra assina carta de intenção para afretamento do primeiro FPSO
Ilustração TN Petróleo Ilustração TN Petróleo

 

O consórcio de Libra assinou carta de intenção com a Odebrecht/Teekay (OOG-Teekay), vencedora de um processo de licitação, para afretar uma plataforma do tipo FPSO (unidade que produz, armazena e transfere óleo) projetada para a campanha dos testes de longa duração de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos.
A entrega do FPSO e o início do primeiro teste de longa duração estão previstos para o quarto trimestre de 2016. A previsão é que sejam realizados testes em várias áreas do bloco, com o objetivo de avaliar o comportamento da produção e adquirir informações sobre a área. A partir dessas informações, serão projetados os futuros sistemas definitivos de produção para Libra.
Para cada um desses testes, dois poços estarão interligados ao FPSO: um produtor de óleo e um injetor de gás. Esses testes de longa duração serão os primeiros na indústria mundial de petróleo a adotar um sistema com reinjeção de gás. A plataforma terá capacidade para processar até 50 mil barris de petróleo por dia e uma capacidade de injeção de gás de 4 milhões de m3/dia. A maior parte do volume de gás produzido será reinjetado no reservatório para manter a pressão e uma pequena parte será consumida durante as operações. O FPSO será operado por empresa a ser constituída pela Odebrecht e Teekay.
Dois poços em perfuração
Seguem em ritmo intenso os trabalhos para dar início à produção na área de Libra, uma das maiores descobertas já realizadas no Brasil. Além da assinatura da carta de intenção para o afretamento do FPSO, o consórcio já iniciou a perfuração de dois poços no bloco.
Localizada na Bacia de Santos, a 183 quilômetros da costa do Rio de Janeiro, Libra tem 1.500 quilômetros quadrados, um pouco mais do que a extensão de toda a cidade do Rio de Janeiro. De acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), as reservas recuperáveis de petróleo e gás na área são estimadas entre 8 e 12 bilhões de barris de óleo equivalente (boe).
O consórcio de Libra é uma parceria entre a Petrobras (operadora, com 40%), Shell (20%), Total (20%), CNPC (10%) e CNOOC (10%), tendo como gestora do contrato a recém-criada empresa estatal Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA). Libra foi a primeira área leiloada pela ANP sob o regime de partilha da produção e o contrato foi assinado em dezembro de 2013.

O consórcio de Libra assinou carta de intenção com a Odebrecht/Teekay (OOG-Teekay), vencedora de um processo de licitação, para afretar uma plataforma do tipo FPSO (unidade que produz, armazena e transfere óleo) projetada para a campanha dos testes de longa duração de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos.

A entrega do FPSO e o início do primeiro teste de longa duração estão previstos para o quarto trimestre de 2016.

A previsão é que sejam realizados testes em várias áreas do bloco, com o objetivo de avaliar o comportamento da produção e adquirir informações sobre a área.

A partir dessas informações, serão projetados os futuros sistemas definitivos de produção para Libra.Para cada um desses testes, dois poços estarão interligados ao FPSO: um produtor de óleo e um injetor de gás.

Esses testes de longa duração serão os primeiros na indústria mundial de petróleo a adotar um sistema com reinjeção de gás.

A plataforma terá capacidade para processar até 50 mil barris de petróleo por dia e uma capacidade de injeção de gás de 4 milhões de m3/dia.

A maior parte do volume de gás produzido será reinjetado no reservatório para manter a pressão e uma pequena parte será consumida durante as operações.

O FPSO será operado por empresa a ser constituída pela Odebrecht e Teekay.

Dois poços em perfuraçãoSeguem em ritmo intenso os trabalhos para dar início à produção na área de Libra, uma das maiores descobertas já realizadas no Brasil.

Além da assinatura da carta de intenção para o afretamento do FPSO, o consórcio já iniciou a perfuração de dois poços no bloco.

Localizada na Bacia de Santos, a 183 quilômetros da costa do Rio de Janeiro, Libra tem 1.500 quilômetros quadrados, um pouco mais do que a extensão de toda a cidade do Rio de Janeiro.

De acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), as reservas recuperáveis de petróleo e gás na área são estimadas entre 8 e 12 bilhões de barris de óleo equivalente (boe).

O consórcio de Libra é uma parceria entre a Petrobras (operadora, com 40%), Shell (20%), Total (20%), CNPC (10%) e CNOOC (10%), tendo como gestora do contrato a recém-criada empresa estatal Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA).

Libra foi a primeira área leiloada pela ANP sob o regime de partilha da produção e o contrato foi assinado em dezembro de 2013.



Fonte: Agência Petrobras
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar