acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

Consórcio começa a formar primeiros trabalhadores da obra de Belo Monte

03/06/2011 | 09h52
Nada de contratações terceirizadas ou uso de "gatos" para intermediar a seleção dos trabalhadores que vão enfrentar os canteiros de obra de Belo Monte. Até o fim deste ano, o consórcio construtor da hidrelétrica, liderado pela Andrade Gutierrez, pretende capacitar até sete mil pessoas nos centros de treinamento da companhia espalhados por dez municípios do Pará. Com o apoio de instituições como o Senai, Senar e Senac, os empreiteiros estão oferecendo cursos de um a dois meses para todo o tipo de ocupação, envolvendo pedreiro, carpinteiro, operadores de trator e de motoniveladoras.
 
 
Ontem, em uma cerimônia simbólica, foram entregues os certificados da primeira turma de 110 profissionais que passaram pelos cursos em Altamira. A prioridade dos empreiteiros será contratar mão de obra local. Segundo Marcos Sordi, diretor administrativo do consórcio de construtoras de Belo Monte, inicialmente não será usado o cadastro nacional de emprego (Sine) do governo federal para recrutar trabalhadores. Por meio de balcões de cadastramento espalhados pelos municípios próximos do rio Xingu, a empresa já conseguiu coletar informações de 15 mil pessoas interessadas em ingressar na obra. "Vamos trabalhar em cima desse banco de dados e treinar cada uma das pessoas. Só depois devemos recorrer ao Sine, se for necessário", disse. O plano das empreiteiras é que, após passarem pelo curso, os candidatos recebam uma proposta de emprego para atuar na obra.
 

Embora o volume de trabalhadores ainda se limite a algumas dezenas, o acordo de representação sindical dos 18 mil funcionários que estarão em Belo Monte entre três e quatro anos já foi fechado. Depois de uma intensa briga sindical, embate que foi parar diversas vezes na disputa, ficou decido que a representação dos trabalhadores da hidrelétrica ficará nas mãos do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Construção Pesada e Afins do Estado do Pará (Sintrapav), que é filiado à Força Sindical. "Foi uma batalha difícil mas no ano passado finalmente ficou decidido que somos os representantes da classe e isso é irreversível", diz Roginel Gobbo, vice-presidente do Sintrapav no Pará.
 

Com a liberação da licença de instalação emitida pelo Ibama, as empreiteiras começaram a receber imediatamente as primeiras ordens de serviço do consórcio Norte Energia, responsável pela construção e operação da usina. No centro de capacitação de Altamira, uma área de 18 mil metros quadrados, motoristas de tratores e outras máquinas pesadas já treinam em simuladores virtuais para repassar a técnica para outros candidatos. A preocupação da empresa é ter gente para operar as milhares de máquinas e caminhões já comprados para tocar a obra.
 
 
Nos próximos meses, serão entregues 600 caminhões da Mercedes Benz em Altamira. Outras 500 máquinas pesadas também estão a caminho, algumas delas fabricadas em outros países.
 

Carlos Adriano, de 34 anos, recebeu ontem seu certificado de carpinteiro. Já está trabalhando, depois de quatro meses desempregado. "Tenho mulher e dois filhos para criar. Veio em boa hora."


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar