acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mercado

Congo tenta atrair interesse da Petrobras e Chevron

21/07/2011 | 09h33
A Petrobras e a Chevron estão em conversas com a República Democrática do Congo sobre investimentos na indústria de hidrocarbonetos do país, disse o ministro de petróleo do Congo, Celestin Mbuyu.

O país africano quer aumentar sua produção de petróleo e gás e ampliar sua infraestrutura. Para isso está alocando blocos das companhias para exploração. Representantes da Petrobras vão visitar o Congo nas próximas semanas. "Vamos elaborar uma proposta que eu vou apresentar ao governo", disse Mbuyu em entrevista em Kinshasa, capital do país, no último dia 15. O acordo deve incluir treinamento e transferência de tecnologia entre a companhia brasileira e a Cohydro, produtora de petróleo controlada pelo governo do Congo, disse ele.

O ministro liderou delegação que esteve no Brasil no mês passado, quando a Petrobras compartilhou experiências com operações de petróleo e gás "em florestas tropicais e regiões costeiras", disse a assessoria de imprensa da companhia por e-mail, em resposta a questionamentos. O Congo abriga a segunda maior floresta tropical do mundo, depois do Brasil, e parte dela foi dividida em blocos para exploração de petróleo. A Petrobras não quis comentar sobre conversas em andamento com o Congo.

O país também está em conversas com a americana Chevron sobre produção de gás e planos de tratamento que podem alimentar os projetos da companhia no país vizinho, a Angola. A Cohydro quer fechar um acordo de cooperação com a Petrobras após assinar um acordo similar em 7 de julho com a Korea National Oil Corp.

O Congo produz cerca de 25 mil barris de petróleo por dia e quer aumentar esse volume explorando regiões próximas à fronteira com a Tanzânia, Burundi, Ruanda e Uganda, bem como no centro do país e próximo à fronteira a oeste com a Angola. O país busca investimentos em exploração, oleodutos, distribuição e armazenamento.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar