acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Congelamento do setor suspende licitação do gás

03/06/2004 | 00h00

O Ministério de Minas e Hidrocarbonetos da Bolívia suspendeu uma licitação para quatro concessões de distribuição de gás natural até depois do referendo nacional de hidrocarbonetos, disse uma fonte do ministério. O prazo para receber ofertas venceu em 27 de maio. O porta-voz afirmou que a licitação havia sido suspensa até depois de que sejam obtidos os resultados do referendo, que está previsto para o dia 18 de julho.
Os planos de fechar um contrato para convertir veículos ao uso de gás natural comprimido (GNC) também foram suspendidos, comentou, agregando que na realidade o setor de hidrocarbonetos em geral está a espera do referendo. A situação será complicada enquanto não exista um marco legal que permita à indústria movimentar-se nestas áreas, de modo que a idéia é evitar estes problemas.
O governos ainda não apresentou o novo projeto de lei de hidrocabonetos ao Congresso e o presidente, Carlos Mesa, decidiu incluir no referendo uma pergunta questionando se a atual lei de hidrocarbonetos deveria ser modificada.
A petroleiras estatal YPFB continua realizando alguns projetos-piloto de conexão de gás na zona ocidental do país, incluindo as cidade de La Paz e Potosí, informou o porta-voz.
A concessões apontam para aumentar o consumo nacional de gás ao proporcionar conexões para os bolivianos de excassos recursos, que não poderiam custear-las de outra maneira.
As concessões cobrem quatro áreas: La Paz, El Alto, Oruro e Potosí; Santa Cruz; Cochabamba y Sucre. Estas áreas já contam com um total de umas 38 mil conexões existentes de gás.
As firmas interessadas devem oferecer a instalação de um certo número de conexões residenciais, um total próximo às 280 mil residências, nos primeiros 10 anos de contrato. A concessões seriam por 30 anos.



Fonte: BNamericas
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar