acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Conclusão

Comperj será concluído em dois anos se Petrobras conseguir parceria privada

27/08/2015 | 16h13
Comperj será concluído em dois anos se Petrobras conseguir parceria privada
Agência Petrobras Agência Petrobras

 

Pouco mais da metade dos recursos que ainda são necessários para a conclusão do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) devem ter contrapartida de um parceiro privado. A informação foi repassada hoje (27) a parlamentares da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) pelo diretor de Engenharia, Roberto Moro, e o diretor de Abastecimento da Petrobras, Jorge Celestino.
Em audiência na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Alerj criada para averiguar perdas econômicas, financeiras e sociais no Rio de Janeiro, nos últimos dez anos, por influência dos negócios da Petrobras, eles disseram que dos cerca de US$ 4,3 bilhões que restam para a conclusão do Comperj, US$ 2,3 bilhões deveram ter a contrapartida privada.
Celestino explicou que o montante responderia por 15% das obras do primeiro trem de refino. "Estamos buscando um novo sócio. A partir da nova parceria, em aproximadamente dois anos, concluiríamos a obra", estimou o diretor de Abastecimento.
Segundo Roberto Moro, os US$ 2 bilhões restantes, arcados pela própria Petrobras, serão investidos na conclusão da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) e a Central de Utilidades do Comperj, já previstas no plano de negócios 2015-2019.
Uma vez retomadas essas obras, o contingente de empregados no canteiro, que é aproximadamente 12 mil, subiria para 15 mil até a conclusão do complexo.
Os dois diretores anunciaram que os projetos de construção do segundo trem de refino foram adiados devido à queda na demanda por combustíveis e que as refinarias já existentes dão hoje conta dessa demanda.

Pouco mais da metade dos recursos que ainda são necessários para a conclusão do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) devem ter contrapartida de um parceiro privado. A informação foi repassada hoje (27) a parlamentares da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) pelo diretor de Engenharia, Roberto Moro, e o diretor de Abastecimento da Petrobras, Jorge Celestino.

Em audiência na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Alerj criada para averiguar perdas econômicas, financeiras e sociais no Rio de Janeiro, nos últimos dez anos, por influência dos negócios da Petrobras, eles disseram que dos cerca de US$ 4,3 bilhões que restam para a conclusão do Comperj, US$ 2,3 bilhões deveram ter a contrapartida privada.

Celestino explicou que o montante responderia por 15% das obras do primeiro trem de refino. "Estamos buscando um novo sócio. A partir da nova parceria, em aproximadamente dois anos, concluiríamos a obra", estimou o diretor de Abastecimento.

Segundo Roberto Moro, os US$ 2 bilhões restantes, arcados pela própria Petrobras, serão investidos na conclusão da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) e a Central de Utilidades do Comperj, já previstas no plano de negócios 2015-2019.

Uma vez retomadas essas obras, o contingente de empregados no canteiro, que é aproximadamente 12 mil, subiria para 15 mil até a conclusão do complexo.

Os dois diretores anunciaram que os projetos de construção do segundo trem de refino foram adiados devido à queda na demanda por combustíveis e que as refinarias já existentes dão hoje conta dessa demanda.

 



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar