acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Regulação

Comissão do Senado aprova indicação para diretoria da ANP

23/05/2006 | 00h00

A Comissão de Infra-Estrutura do Senado aprovou nesta terça-feira (23/5) o nome do engenheiro Nelson Narciso Filho para integrar a diretoria da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Ele obteve a totalidade dos 19 votos dos senadores que participaram da reunião extraordinária convocada para examinar a indicação presidencial para o cargo, publicada no Diário Oficial da União no último dia 9. A decisão da comissão deverá ser apreciada em breve pelo plenário da Casa.

Narciso Filho destacou em breve exposição aos senadores a necessidade de o país atingir rapidamente autonomia energética. Salientou, sobretudo, a urgência na redução da dependência das importações de gás natural, com mais pesquisa e exploração das reservas já identificadas, com o envolvimento de parceiros nacionais e internacionais nesse esforço estratégico. Por "responsabilidade cívica", afirmou o engenheiro, o Brasil precisa reduzir a crescente dependência brasileira em relação ao gás natural importado. “Um país com quase duzentos milhões de habitantes e economia tão complexa não pode ficar submetido a alternativas fragilizadoras e ameaçadoras de nossa auto-suficiência energética”.

Narciso Filho referia-se ao quadro de insegurança causado pela decisão da Bolívia de nacionalizar as reservas de petróleo e gás natural, afetando as operações da Petrobras naquele país. Entre outros investimentos no país, a Petrobras aplicou mais de US$ 1 bilhão no gasoduto que traz gás boliviano até a região Sudeste, com compromisso de compras em torno de US$ 30 milhões por ano.

Com carreira de 29 anos no setor privado, em empresas com atividades operacionais e de fabricação e instalação de equipamentos no setor de exploração e produção de petróleo, Narciso Filho contou com 19 votos a favor da indicação do Executivo. A matéria foi relatada pelo senador Luiz Otávio (PMDB-PA) e apresentada na reunião pelo senador Roberto Saturnino (PT-RJ). O indicado trabalhou até recentemente para a estatal angolana do setor petrolífero, a Halliburton Angola, como diretor Global Cliente Sonangol.

PEQUENAS PRODUTORAS – Ainda sobre a auto-suficiência energética, Narciso Filho citou como boa iniciativa a decisão da ANP de estimular no país um segmento de exploração centrado em pequenas e médias empresas. A elas serão repassados lotes devolvidos pela Petrobras, cujas reservas foram consideradas pequenas pela estatal. Nos Estados Unidos, ele informou, esse segmento responde por mais de 60% de todo o petróleo produzido. O indicado também destacou como uma conquista do país o avanço na área dos biocombustíveis, para a qual ele pede ainda mais estímulos, como parte da estratégia para a auto-suficiência.

Pós-graduado em Administração Industrial e Engenharia Econômica, Narciso Filho, durante sua apresentação, fez referências também à sua condição de negro, de origem humilde. Essas características, como afirmou, servem de estímulo para que tome como responsabilidade "étnica e ética" difundir os valores do estudo e da perseverança para as novas gerações.

Em resposta ao senador Roberto Saturnino, o candidato ao cargo de diretor da ANP fez um relato sobre sua experiência em Angola, aonde chegou quando o país enfrentava a guerra civil que durou 30 anos. Segundo ele, a boa qualidade das informações sobre as reservas petrolíferas tem atraído os investidores internacionais e valorizado as concessões. O senador Romero Jucá (PMDB-RR) aproveitou para manifestar apoio à decisão da ANP de estimular a entrada de pequenas e médias empresas na exploração de petróleo.

Ney Suassuna (PMDB-PB) salientou as qualidades do indicado - cujo currículo, como afirmou, mostra que se trata de uma pessoa que "sabe como fazer" - e cobrou mais investimentos internos na área de petróleo. Segundo ele, se o país pôde investir mais de um US$ 1 bilhão no gasoduto que vem da Bolívia, sob o risco de criar rápida dependência desse fornecimento, não poderia deixar de gastar aqui mesmo. Gilberto Mestrinho (PMDB-AM) pediu prioridade para o gasoduto Urucu-Porto Velho.



Fonte: Agência Senado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar