acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Estudo

CNI: são necessários R$ 70 bi para destravar questões críticas de logística

28/08/2012 | 16h43

 

Um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e das federações das Indústrias dos estados da Região Sul mostra que são necessários R$ 70 bilhões para superar gargalos de transporte no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.
O estudo Sul Competitivo, divulgado nesta terça-feira (28), em Brasília, mostra que é preciso investir em 177 projetos para desatar os nós logísticos e aumentar a competitividade na região.
De acordo com o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, o Sul é responsável por 17% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e, se nada for feito dentro de alguns anos, os gargalos de infraestrutura podem travar o escoamento da produção para o mercado interno e para as exportações.
Os empresários sulistas defendem a criação de uma força-tarefa, em parceria com os governos e iniciativa privada, para garantir a viabilização dos projetos, com oito eixos considerados prioritários e que ligam regiões produtoras até os portos. Segundo Braga, do total de projetos, são considerados prioritários 51, com gastos estimados em R$ 15,2 bilhões - montante que corresponde a 22% dos R$ 70 bilhões.
Segundo a CNI, com esses projetos, a economia anual potencial seria R$ 3,4 bilhões, e a redução no custo de logística chegaria a 7%. “A Região Sul precisa de obras urgentes sob o risco de colapso no escoamento. Em alguns trechos de rodovia, como a BR-116, que liga Curitiba a São Paulo, a utilização está 300% acima da capacidade limite, com esgotamento do modelo atual”, disse.
O presidente da CNI criticou ainda o excesso de burocracia e a baixa eficiência da gestão pública, o que, segundo ele, tem retardado a disponibilização de recursos em obras efetivas. De acordo com Braga, o volume de recursos até aumentou, mas a execução não alcançou a velocidade desejada.
A ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, que esteve na divulgação do estudo, lembrou que quando se “desenhou” o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o governo tinha claro que era necessário trabalhar em três eixos fundamentalmente interligados e com aporte de recursos, sem o que o Brasil não terá condições de dar saltos de desenvolvimento. Segundo a ministra, os três eixos estruturantes são o da logística, energia e infraestrutura social.
Ideli lembrou dois mecanismos oferecidos pelo governo federal como forma de estimular os investimentos nos estados, a renegociação de dívidas, por meio do Programa de Ajuste Fiscal (PAF), e a inclusão do setor privado no plano de investimento e logística. De acordo com a ministra, o PAF deu as condições para que os governadores possam desenvolver ações para investir no desenvolvimento. Na avaliação de Ideli, esses são fatores que “poderão compensar um pouco o tempo perdido e o prejuízo do país ter desmontado estruturas e tomado decisões equivocadas, como deixar em segundo plano o modal ferroviário. Temos que correr atrás e recuperar”.

Um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e das federações das Indústrias dos estados da Região Sul mostra que são necessários R$ 70 bilhões para superar gargalos de transporte no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.


O estudo Sul Competitivo, divulgado nesta terça-feira (28), em Brasília, mostra que é preciso investir em 177 projetos para desatar os nós logísticos e aumentar a competitividade na região.


De acordo com o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, o Sul é responsável por 17% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e, se nada for feito dentro de alguns anos, os gargalos de infraestrutura podem travar o escoamento da produção para o mercado interno e para as exportações.


Os empresários sulistas defendem a criação de uma força-tarefa, em parceria com os governos e iniciativa privada, para garantir a viabilização dos projetos, com oito eixos considerados prioritários e que ligam regiões produtoras até os portos. Segundo Braga, do total de projetos, são considerados prioritários 51, com gastos estimados em R$ 15,2 bilhões - montante que corresponde a 22% dos R$ 70 bilhões.


Segundo a CNI, com esses projetos, a economia anual potencial seria R$ 3,4 bilhões, e a redução no custo de logística chegaria a 7%. “A Região Sul precisa de obras urgentes sob o risco de colapso no escoamento. Em alguns trechos de rodovia, como a BR-116, que liga Curitiba a São Paulo, a utilização está 300% acima da capacidade limite, com esgotamento do modelo atual”, disse.


O presidente da CNI criticou ainda o excesso de burocracia e a baixa eficiência da gestão pública, o que, segundo ele, tem retardado a disponibilização de recursos em obras efetivas. De acordo com Braga, o volume de recursos até aumentou, mas a execução não alcançou a velocidade desejada.


A ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, que esteve na divulgação do estudo, lembrou que quando se “desenhou” o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o governo tinha claro que era necessário trabalhar em três eixos fundamentalmente interligados e com aporte de recursos, sem o que o Brasil não terá condições de dar saltos de desenvolvimento. Segundo a ministra, os três eixos estruturantes são o da logística, energia e infraestrutura social.


Ideli lembrou dois mecanismos oferecidos pelo governo federal como forma de estimular os investimentos nos estados, a renegociação de dívidas, por meio do Programa de Ajuste Fiscal (PAF), e a inclusão do setor privado no plano de investimento e logística. De acordo com a ministra, o PAF deu as condições para que os governadores possam desenvolver ações para investir no desenvolvimento. Na avaliação de Ideli, esses são fatores que “poderão compensar um pouco o tempo perdido e o prejuízo do país ter desmontado estruturas e tomado decisões equivocadas, como deixar em segundo plano o modal ferroviário. Temos que correr atrás e recuperar”.

 



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar